Brasil plural: para falar de intolerância


Raissa de Souza Reis

Raissa de Souza Reis
  • Colocação no concurso: 3ª colocada nacional
  • Colocação no estado: 1ª colocada estadual
  • Ano de participação: 2017
  • Cidade: Manaus - AM
  • Escola: Escola Estadual Ernesto Penafort
  • Professor(a): José Edson Castro da Silva

Uma frase que gosta: “Viver é melhor que sonhar” – Como Nossos Pais, Belchior.

 

Meu perfil...

A Jovem Senadora do Amazonas tem um sonho muito especial, crescer junto com aqueles que conhece e ama. Para Raissa, o discurso de deixar aqueles que não tem oportunidades para trás é ultrapassado e não pode ser levado a sério. Raissa estudou em colégios privados até os dez anos e só depois conheceu de perto a realidade da escola pública e todas as suas dificuldades. “Minha mãe trabalhou muito para que eu tivesse a melhor educação possível na infância. Durante os primeiros anos escolares estudei nas melhores escolas que minha mãe podia pagar. Aos 10 anos tive que ir para a escola pública, pois minha mãe não tinha mais condições de me manter na escola particular. Mesmo aos 10 anos, foi um choque para mim esse contato com mundos tão distintos, as crianças eram a mesmas, mas as oportunidades e a qualidade do ensino eram muito diferentes”.

Com a mudança, Raissa acredita que sua formação ficou ainda mais completa e ela aprendeu a encarar as dificuldades. “Minha família prioriza muito o estudo, minha avó e minha mãe são professoras, mesmo na escola pública eu tinha todo o apoio em casa para que continuasse aprendendo. Aprendi muito durante todos esses anos com as pessoas com quem convivi. Estudei em muitas escolas da minha região e conheci todo tipo de gente. Aprendi com estas pessoas sobre humildade e honestidade, criei raízes e laços com essa gente.

“Enquanto estava crescendo comecei a sentir a pressão de ter que decidir como seria meu futuro, e sempre ouvia o discurso de que teria de ser melhor se quisesse vencer na vida. Fico inconformada de ter que encarar a vida dessa maneira, como uma competição. Eu quero sim crescer e fazer algo importante, mas quero também continuar conectada a essas pessoas com quem cresci. Não quero sonhar algo grande sabendo que terei de deixar todas essas pessoas e histórias para trás. Meu sonho é ajudar a reconstruir um Brasil em todos tenham oportunidades iguais, e não seja necessário deixar ninguém para trás. No futuro quero me orgulhar de ter contribuído com isso”.

 

Sobre a vida profissional e a participação política

Quando o assunto é carreira profissional, a Jovem Senadora do Amazonas já está decidida, quer se formar em Ciências Sociais e estar em sala de aula. “Eu me interesso bastante pela área da educação e outras questões sociais, é um prazer muito grande estudar e aprender sobre estas coisas e seria um prazer ainda maior trabalhar com isso. Pretendo entrar na faculdade de Bacharelado em Ciências Sociais ou cursar alguma licenciatura para poder trabalhar diretamente em sala de aula. Não consigo me imaginar fazendo outra coisa, independente da faculdade que cursar desejo trabalhar diretamente com as pessoas e me envolver em projetos que causem impacto positivo na vida delas".

Raissa procura participar de ações sociais em sua comunidade e, entre elas, ajuda a Instituição Casa Mamãe Margarida, que atende meninas em situação de risco. “Frequento essa instituição desde que nasci e é quase uma segunda casa para mim. Desde criança sempre me envolvi com as atividades da Casa, participo de eventos culturais, bazares para arrecadação de dinheiro, e ajudo o quanto posso nas atividades do dia-a-dia da Casa, desde ajuda na cozinha, organização da biblioteca e auxilio no cuidar das meninas. É um lugar bem especial e importante pelo trabalho que desenvolve”.

Quando o assunto é participação política, a Jovem Senadora do Amazonas também está antenada e é muito crítica em relação à participação dos jovens. “Por enquanto eu apenas acompanho alguns movimentos de renovação política, como o Movimento Acredito. Apesar de Manaus ser uma cidade em crescimento, ainda não temos muitos jovens atuando na política por aqui, visto isso, tenho vontade sim, de participar e representar alguns desses movimentos e acho que não vai demorar muito para acontecer. O que espero para meu futuro e as questões com as quais quero trabalhar, certamente me farão esbarrar nessa possibilidade de atuar na política algum dia, e não a descarto”.

Raissa acredita na mobilização política do jovem e é muito otimista. “O jovem pode e deve participar da política, seja apenas acompanhando, debatendo, apoiando ou cobrando. Se os jovens são o futuro, o mínimo que se espera é que estes tenham interesse pela política. Eu percebo que minha geração faz bastante esforço para acompanhar o cenário político de nosso país, e, por mais que esbarremos sempre em discordâncias sobre os mais variados temas, é interessante ver que existe essa vontade de não ficar de fora, essa vontade de cobrar, essa inconformidade diante dos problemas que vivenciamos. Cada geração traz consigo uma nova visão e muitas ideias, o que nos falta é orientação para amadurecer essas ideias e coloca-las em prática. Acredito que a gente tem força e capacidade de melhorar muito nosso país”.

Como figura pública de destaque indicou Aaron Swartz. “Escolhi falar de uma pessoa que tem bastante a ver com a juventude. Aaron Swartz é uma pessoa que muito me inspira e que representa o verdadeiro espirito de uma juventude inquieta. Aaron Swartz não é muito conhecido no Brasil e a sua história não tem um final feliz, mas ainda assim, tem uma história que precisa ser conhecida. Em 2015, achei uma revista antiga no meio de vários livros e nessa revista havia um artigo sobre a história desse rapaz. Achei interessante e acabei lendo outros artigos sobre ele. Resumidamente ele era um programador bem-sucedido desde muito novo. Quando cresceu se tornou ativista pelo compartilhamento de livre informação na internet”.

“O que me encantou foram suas palavras e as suas motivações em vida. Aaron era brilhante e seu trabalho lhe rendeu fortuna desde os 14 anos. Mesmo assim Aaron não queria usar seu talento para ganhar dinheiro, ele queria mudar a vida das pessoas. Como ele mesmo dizia: “Eu cresci e através de um lento processo percebi que o discurso de que nada pode ser mudado e que as coisas são naturalmente como são é falso. Elas não são naturais. As coisas podem ser mudadas. E mais importante: há coisas que são erradas e devem ser mudadas. Depois que percebi isso, não havia como voltar atrás. Eu não poderia me enganar e dizer: “Ok, agora vou trabalhar para uma empresa”. Depois que percebi que havia problemas fundamentais que eu poderia enfrentar, eu não podia mais esquecer disso. Na cabeça de uma garota de 15 anos que tinha acabado de entrar no ensino médio, essas palavras foram reveladoras.  Foi a partir do momento em que conheci a sua história, que comecei a achar sentido em minha própria vida. Ele me fez enxergar que mesmo jovem eu poderia fazer parte de mudanças”.

 

Sobre a família e as horas de descanso

Em suas horas livres, Raissa gosta de estar com a família e fazer programas variados como cuidar da horta, assistir filmes e séries, fazer artesanato, observar pássaros com a irmã. Quando está sozinha, gosta de ouvir música (MPB) e ler, às vezes ficção e romance, outras vezes algo mais sério. Não tem somente um livro favorito e indicou a obra “A insustentável leveza do ser” de Milan Kundera, por ser um texto que a influenciou muito nos últimos tempos. “O livro faz reflexões acerca das escolhas da vida e de alguns comportamentos de nossa sociedade, é um desses livros que dependendo da época da vida em que é lido, pode-se ter uma diferente interpretação dele”. Além disso, a Jovem Senadora ainda acha tempo para praticar yoga, pois acredita que ajuda muito na saúde e na concentração”.

Sobre a família, Raissa não poupa elogios, “Minha família é maravilhosa, eu sou apaixonada por ela. Quem me conhece sabe que eu não paro de falar da minha família por nenhum minuto. Minha casa é um lugar que eu realmente posso chamar de lar, sinto que posso ser eu mesma e recebo todo apoio e força que preciso da minha família. Tenho muita sorte de ter uma família tão incrível”.

 

E por falar em Jovem Senador...

Animada com o apoio de seu professor, José Edson, e de sua irmã e motivada pela possibilidade de representar sua escola e seu Estado, Raissa decidiu participar do Jovem Senador 2017. “O professor Edson que é meu orientador depositava bastante confiança em mim e em meus outros colegas. Como eu sabia que ele esperava que eu fizesse meu melhor, me esforcei bastante para não decepcioná-lo”.

Ao receber a notícia de sua classificação, a Jovem Senadora do Amazonas achou que era uma brincadeira. “Minha mãe atendeu ao telefone e ficou fazendo mil perguntas para pessoa que queria falar comigo. Pedi para ela perguntar de onde era a ligação e era de Brasília. Nesse momento meu coração parou, atendi ao telefone e me deram a notícia. Demorei a perceber, fiz várias perguntas ao telefone e depois da ligação fui conferir no site. Vi meu nome entre os vencedores no site do Jovem Senador e a partir daí foi só alegria. No outro dia falei com meu professor na escola, ele ainda não sabia e ficou muito feliz. Todo mundo veio me parabenizar e todos ficaram muito animados com a viagem”. Com a família toda empolgada, Raissa celebrou não somente sua vinda para Brasília, como também a classificação como a terceira melhor redação da etapa nacional.

“Essa é a minha primeira viagem para fora da minha cidade, e é de avião, então existe um sentimento de medo e ansiedade. Sei que vou conhecer muita gente nova, então também estou bem ansiosa para isto. Com relação a me tornar uma jovem senadora eu tenho expectativas de aprender muito enquanto estiver em Brasília. Acho que o programa vai me apresentar novos horizontes e me guiar por novos caminhos. Li alguns depoimentos de ex-senadores jovens e parece que o programa é uma grande experiência. Estou empolgada para conhecer os outros jovens senadores, conhecer a cidade e participar das atividades do programa”.

Escola Estadual Ernesto Penafort
Diretor:
Celso Ronildo Ribeiro Saraiva
Professor orientador:
José Edson Castro da Silva
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11