Governo libera R$ 5 bilhões por medida provisória para combate ao coronavírus

Da Redação | 14/03/2020, 11h48

O governo federal editou na sexta-feira (13) a Medida Provisória (MP) 924/2020, que libera R$ 5,099 bilhões para o enfrentamento da crise de saúde pública provocada pelo novo coronavírus (covid-19). A iniciativa havia sido negociada na quarta-feira (11) durante reunião de emergência entre os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, da Câmara, Rodrigo Maia, lideranças partidárias do Congresso e ministros.

Desse total, R$ 4,8 bilhões serão destinados ao Fundo Nacional de Saúde para ações coordenadas pelo Ministério da Saúde em parceria com os estados e municípios.

Do restante, R$ 204 milhões serão destinados aos hospitais universitários federais (administrados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) e R$ 57 milhões irão para o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, que funciona em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), todos vinculados ao Ministério da Educação.

Os valores foram retirados de emendas individuais e coletivas ao Orçamento que já estavam destinadas ao Fundo Nacional de Saúde, mas seriam liberadas para unidades apontadas pelos parlamentares.

A medida faz parte do acordo com o Congresso em que deputados e senadores abriram mão de parte das despesas vinculadas às emendas parlamentares para ajudar a conter os efeitos da covid-19 no Brasil.

Da Agência Câmara de Notícias

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
16h31 Medicação: Mandetta e Zenaide Maia (Pros-RN) reforçaram importância das medidas cotidianas contra a covid-19: distanciamento, uso de máscaras, higiene das mãos. Ex-ministro também criticou lobbies de medicamentos ineficazes no Congresso.
16h19 CPI da Pandemia: Após Luis Carlos Heinze (PP-RS) criticar "assassinato de reputação" contra tratamento precoce, Mandetta disse que a busca por remédio contra covid-19 deve respeitar a ciência: "Torço pela cura, não por uma substância".
15h56 Pazuello no dia 19: Foi adiado para o dia 19 o depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que estava previsto para amanhã. A Secretaria-Geral do Exército informou que Pazuello teve contato com pacientes de covid-19 e não poderia comparecer.
Ver todas ›