Papel do veterinário na produção de alimentos é ressaltado em sessão especial

Da Redação | 18/03/2019, 15h16

A contribuição veterinária para a segurança alimentar e o controle de doenças foi um dos aspectos destacados nesta segunda-feira (18) durante sessão especial no Senado que homenageou instituições relacionadas à medicina veterinária.

A sessão comemorou os 110 anos da criação da Diretoria de Indústria Animal, os 36 anos da Academia Brasileira de Medicina Veterinária (Abramvet) — com destaque para o presidente, professor Milton Thiago de Mello — e os 99 anos da Sociedade Brasileira de Medicina Veterinária (SBMV).

No ano passado, o Brasil recebeu certificação de país livre da febre aftosa nos rebanhos. Segundo o presidente do Conselho Federal de Medicina Veterinária, Francisco Cavalcanti de Almeida, e o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Flávio Bettarello, o novo status sanitário, que facilita a comercialização de produtos de origem animal, demonstra a importância do trabalho dos médicos veterinários.

—  Nossos auditores fiscais dentro do ministério e nossos médicos veterinários espalhados por todo o Brasil asseguram os mais elevados padrões de inspeção e sanidade. Isso é fundamental para garantir que a nossa reputação e imagem internacional possam espelhar essa excelência — afirmou Bettarello.

Com 103 anos, mais de 80 de profissão, o presidente da Abramvet, Milton Thiago de Mello, foi saudado por suas pesquisas e outras contribuições para a medicina veterinária. Para Mello, que é pesquisador e ex-professor da Universidade de Brasília, a relevância da área é cada vez maior, tendo em vista a necessidade de garantir segurança alimentar para o planeta. Ele afirmou que o alimento será a moeda do futuro.

— A população do mundo está aumentando e vai continuar a aumentar, e ela precisa de comida. E só quem tem capacidade de produzir comida nessa escala planetária, para os 10 bilhões de habitantes para o fim do século (no momento, estamos com 7,5 bilhões), é o Brasil  — disse.

Também foi homenageada a primeira mulher diplomada médica veterinária no Brasil, Alzira de Souza. O senador Wellington Fagundes (PR-MT) entregou uma placa a Rosália Meireles de Souza Rocha, que representou Alzira na solenidade.

Wellington, que é médico veterinário e membro da Academia Brasileira de Medicina Veterinária, ressaltou que o sucesso do setor agropecuário brasileiro deve muito à medicina veterinária.

— Sabemos que precisamos avançar mais, ocupar os espaços e confirmar a realeza da ciência médica que se dedica à prevenção, ao controle, à erradicação, ao tratamento de doenças, além de atuarmos no controle da sanidade dos produtos e subprodutos de origem animal para o consumo humano — apontou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
12h16 Dia do Ecumenismo: A Comissão de Educação, Cultura e Esportes (CE) aprovou relatório favorável ao Projeto de Lei da Câmara 111/2018 que cria o Dia Nacional do Ecumenismo (21 de outubro). A matéria segue para o Plenário.
11h39 Treinadores de futebol: A Comissão de Educação rejeitou o Projeto de Lei 369/2015, que torna obrigatória a graduação em educação física para treinador profissional de futebol. A matéria segue para a Comissão de Assuntos Econômicos.
11h33 Crédito para Camaçari: Senadores da CAE autorizaram a financiamento, no valor de até US$ 80 milhões entre o município de Camaçari (BA) e a Corporação Andina de Fomento. A decisão final caberá agora ao Plenário.
Ver todas ›