Reguffe promete Senado mais enxuto e transparente

Da Redação | 02/02/2019, 12h43 - ATUALIZADO EM 02/02/2019, 12h58

Ao apresentar sua candidatura à Presidência do Senado, o senador Reguffe (sem partido-DF) prometeu uma Casa mais eficiente, mais transparente e mais enxuta. Para ele, o Senado não deve ser um instrumento de barganha, nem um obstáculo para o desenvolvimento do país ou “um puxadinho do Executivo”. O senador também prometeu analisar os pedidos de impedimento dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e de um processo legislativo mais ágil.

— O Senado não pode ser um clube. O Senado precisa mudar, precisa ser uma instituição mais transparente e que custe muito menos ao contribuinte brasileiro — declarou o senador no Plenário, neste sábado (2).

Reguffe ainda garantiu que vai pautar as reformas política e tributária e disse que vai dar atenção a temas importantes para a sociedade brasileira. O candidato apresentou sete propostas objetivas para tornar o Senado mais barato para o contribuinte: fim dos salários extras dos parlamentares; fim da verba indenizatória; fim dos carros oficiais; redução do número de assessores de 55 para 12; redução da verba para o pagamento de assessores; fim do plano de saúde vitalício; e fim da aposentadoria especial dos parlamentares.

O senador lembrou que já abre mão de vários desses benefícios desde o início do seu mandato, proporcionando uma economia de mais de R$ 16 milhões aos cofres públicos. Segundo Reguffe, se todos os senadores adotassem as mesmas medidas, a economia seria de cerca R$ 1,3 bilhão.

— Um mandato pode ser digno e de qualidade, custando muito menos do que custa hoje — afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)