Amorim defende que SUS garanta abastecimento de medicamento com canabidiol

Da Redação | 29/11/2018, 13h33

Em discurso nesta quinta-feira (29), o senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) posicionou-se contra o projeto da descriminalização do plantio e uso da maconha para uso medicinal, o Projeto de Lei do Senado (PLS) 514/2017, aprovado esta semana na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Ele defendeu que o Sistema Único de Saúde (SUS) garanta o abastecimento do medicamento para quem o utiliza, e não a produção caseira e sem controle.

O senador lembrou ainda que há pesquisas no país para a produção mais barata do remédio e para a elaboração do canabidiol sintético, a exemplo do que já ocorreu com outros psicotrópicos como a morfina e a metadona.

Na opinião do parlamentar, liberar as residências para abrigar hortas com o plantio da cannabis sativa e transformá-las em laboratórios de produção de psicotrópicos não vai ajudar os pacientes que precisam do medicamento a base do canabidiol. O Estado não conseguirá controlar a qualidade do produto, frisou.

- Reafirmo minha posição por entender que, do ponto de vista sanitário e da segurança do paciente, a proposta mais adequada é exigir dos gestores do SUS, nas três esferas federativas, que tomem as medidas para fornecer os produtos farmacêuticos a base de cannabis sativa necessários aos pacientes que dele necessitam, e não ter em cada casa uma horta, um plantio e um laboratório produtores de psicotrópicos sem o controle farmacológico, farmacêutico, dosagem e quantidade – frisou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)