Senado aprovou mais de 40 projetos no esforço concentrado, destaca Eunício

Da Redação | 05/09/2018, 14h13 - ATUALIZADO EM 06/09/2018, 14h09

O Plenário e as comissões da Casa analisaram mais de 40 projetos durante o esforço concentrado desta semana, informou o presidente do Senado, Eunício Oliveira, ao destacar o empenho dos senadores, que estiveram presentes mesmo neste período de campanhas eleitorais. Entre as matérias aprovadas está a Medida Provisória 838/2018, que concede subvenção para a venda e a importação do óleo diesel de uso rodoviário. A MP foi uma das promessas do governo em troca do fim da greve dos caminhoneiros, ocorrida em maio.

Também avançaram propostas como o PLC 35/2014, que garante prioridade a mulheres vítimas de violência doméstica na realização do exame de corpo de delito; o substitutivo da Câmara ao PLS 214/2014, que institui o Selo de Desburocratização e Simplificação; além de indicações de autoridades e uma série de acordos internacionais.

— Saio daqui com a consciência do dever cumprido. Primeiro porque fizemos a votação da matéria que complementava o acordo do qual fomos fiadores na questão dos caminhoneiros. Aprovamos aqui várias matérias em relação à economia, desburocratização, defesa da mulher. Votamos mais de 47 itens nesses dois dias de esforço concentrado — disse Eunício.

Próximas sessões

Esta será a última semana de esforço concentrado até as eleições. Segundo Eunicio, os trabalhos do Congresso voltarão  ao ritmo normal depois do primeiro turno. Ele inclusive já agendou sessões do Senado para o dia 9, quando deve ser examinada a Medida Provisória 842/2018 que trata da renegociação de dívidas rurais; e do Congresso para o dia 10, quando será examinado o veto ao reajuste de 52,86% do piso salarial dos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias.

A MP 842 foi aprovada nesta terça-feira (4) pela Câmara e só chegou ao Senado nesta quarta. A medida agora tranca a pauta da Casa.

— Dois itens ficaram acertados e combinados. A MP lamentavelmente chegou agora. Dia 10 vamos derrubar o veto porque acho que é um veto injusto em relação aos agentes de saúde e de endemias, que são verdadeiros anjos da guarda, que colocam o pé na lama apara levar conforto e muitas vezes buscar pessoas para serem atendidas — disse Eunício.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)