CDH questiona Caixa sobre triplex que foi atribuído a Lula

Da Redação | 16/05/2018, 16h20 - ATUALIZADO EM 16/05/2018, 16h45

Por iniciativa da presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH), Regina Sousa (PT-PI), o colegiado aprovou nesta quarta-feira (16) um requerimento com solicitação de informações à Caixa Econômica Federal sobre o triplex no edifício Solaris, em Guarujá (SP), que foi atribuído ao ex-presidente Lula no âmbito da operação Lava Jato.

O imóvel foi leiloado ontem,  o que motivou a apresentação do requerimento, segundo Regina.

Os questionamentos são destinados ao banco porque, como explicou a senadora, o referido imóvel estaria vinculado à Caixa como penhora. A CDH quer que a instituição confirme se de fato o triplex está ou esteve penhorado, a quem pertencia o apartamento, se há outros imóveis penhorados no mesmo edifício e para quem vai o dinheiro do leilão realizado ontem (R$ 2,2 milhões).

A comissão também quer saber se a Caixa contestou a decisão do juiz Sergio Moro de determinar o leilão do triplex.

— Deveria ser algo natural, porque se o imóvel estava penhorado para a Caixa, penso que a empresa tinha que ter se manifestado. Também é importante que se esclareça se o banco era o proprietário temporário do imóvel, em caso dele estar penhorado — finalizou a senadora, que considera que o caso "é permeado por dubiedades, e cuja única certeza é que o imóvel jamais pertenceu a Lula".

Outros pontos

Por iniciativa de Lindbergh Farias (PT-RJ), também foi aprovada uma diligência da Comissão no presídio de Bangu 8 (no Rio de Janeiro) para verificar as condições em que se encontram os aprisionados nesta unidade.

E por iniciativa de Paulo Paim (PT-RS), a CDH realizará audiências públicas para discutir a venda de ativos da Petrobras e a situação econômica em que se encontram hoje os fundos de pensão no país. As datas destas duas audiências ainda serão definidas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)