UFR contribuirá para capacitação e emprego na região, avaliam debatedores

Da Redação | 16/04/2018, 12h36

A implantação da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), em Mato Grosso, contribuirá para a qualificação profissional e para o desenvolvimento das regiões Sul e Sudeste do estado, de acordo com participantes de seminário promovido pelas comissões de Educação, Cultura e Esporte (CE), Agricultura e Reforma Agrária (CRA) e Meio Ambiente (CMA) do Senado na sexta-feira (13), em Rondonópolis.

A UFR foi instituída pela Lei 13.637/2018, publicada no Diário Oficial da União de 21 de março, a partir do desmembramento do campus de Rondonópolis da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Para o senador Wellington Fagundes (PR-MT), autor do requerimento para realização do debate, a nova universidade vai ajudar na qualificação profissional dos mato-grossenses e poderá trazer avanços científicos ao setor agropecuário:

— Uma obra como uma estrada, uma ponte e um aeroporto é sempre importante para uma cidade, seu desenvolvimento e valorização, mas nada pode ser mais engrandecedor do que participar da proclamação do futuro e isso só se faz quando conseguimos avançar na educação. A implantação da universidade, centro do saber e do conhecimento, nos leva a isso — avaliou o senador.

O secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Paulo Barone, afirmou que a criação da UFMT foi um marco do desenvolvimento do estado.  Para ele, a nova universidade também vai contribuir para a geração de emprego e renda. Ele observou que a implantação do novo centro acadêmico depende agora de etapas burocráticas.

— A consolidação da Universidade Federal de Rondonópolis representará um novo surto de desenvolvimento para a cidade e região — afirmou.

Sonho antigo

Segundo o senador José Medeiros (Pode-MT), a criação da UFR é um importante investimento para o Mato Grosso, que ganha agora sua segunda universidade federal.

— Essa universidade praticamente não tem gasto a mais. O que estamos fazendo é otimizar recursos. Moramos em um estado em que cabem 10 países do tamanho de Portugal. Precisávamos de mais uma universidade — disse.

Wellington Fagundes registrou que a UFR é uma demanda antiga da população. Ele lembrou que, desde 2008, quando o conselho da UFMT acatou a proposta de emancipação do campus de Rondonópolis, a região sonhava com a chegada deste momento.

Participantes

Também participaram do seminário o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro; o prefeito de Rondonópolis, José Carlos Junqueira de Araújo; a reitora da UFR, Ângela Brandão, além de deputados federais e estaduais; vereadores; membros da comunidade acadêmica e outras autoridades.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)