Organismo internacional oferece programa para gerenciamento de dados

Da Redação | 22/11/2017, 18h58

O Sistema de gerenciamento de dados de identificação (iDMS na sigla em inglês) é um programa de computador construído pela Comissão Internacional para Pessoas Desaparecidas (ICMP, na sigla em inglês) especialmente para gerenciar programas de pessoas desaparecidas em grande escala. O iDMS possui um conjunto de aplicações integradas que suporta o processo de armazenamento, visualização e análise de quantidades muito grandes de dados sobre pessoas desaparecidas, investigações e identificações. Mais de 150 mil pessoas desaparecidas estão incluídas no banco de dados do iDMS, bem como os perfis de parentes vivos. O iDMS permite o gerenciamento de grandes quantidades de dados relevantes para pessoas desaparecidas, incluindo:

. Registro de pessoas desaparecidas e informações associadas;

. Informações e amostras de DNA das famílias dos desaparecidos;

. Dados sobre operações de arqueologia forense e recuperação de restos e evidências humanas;

. Análise antropológica e inventário de casos;

. Processos de laboratório de DNA;

. Bancos de dados de perfil de DNA; e

. Correspondência de DNA.

Organização mantida por doações voluntárias de países e baseada na Holanda, a ICMP usa o iDMS para o seu próprio trabalho, por meio do qual ajuda a investigar casos de pessoas desaparecidas em todo o mundo. Além disso, compartilha essa tecnologia de banco de dados de última geração com as autoridades governamentais e outros para ajudá-los a abordar casos de pessoas desaparecidas. Ao fazê-lo, o ICMP personaliza o banco de dados para atender às necessidades específicas de um determinado país ou evento e fornece instruções e treinamento aos especialistas designados em seu uso no sistema iDMS.

De acordo com o site da instituição, o Centro de Inquérito Online associado da ICMP foi projetado com a segurança de dados e um alto grau de controle sobre o acesso a informações confidenciais, como DNA e dados familiares. “Cada usuário tem acesso apenas a partes autorizadas do banco de dados e os dados confidenciais são armazenados e analisados ​​de forma anônima e codificada em vários estágios do processo”, garante a instituição, criada em 1996 por sugestão do presidente dos Estados Unidos Bill Clinton durante uma reunião do G7, hoje G8, grupo que reúne os países mais ricos.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
Especial Cidadania