Renan reforça que não existe crime de opinião no Brasil

Da Redação | 09/06/2016, 18h04 - ATUALIZADO EM 09/06/2016, 18h53

Em entrevista à imprensa na tarde desta quinta-feira (9), o presidente do Senado, Renan Calheiros, afirmou que no Brasil atual não existe crime de opinião. Ele sugeriu paciência e calma a todos, pois, em seu entender, o país “vive momento de histeria”.

— Não há delito de opinião no Brasil. Toda vez que acontece uma barbaridade com uma pessoa, a democracia corrige. O grande problema é quando essa barbaridade é contra as instituições, aí ninguém corrige, perdem-se os avanços conquistados. É recomendável ter calma, mas permanecer com esse olhar. O Brasil vive momento de histeria, é preciso ter paciência e ouvir mais do que falar — disse Renan.

Ele também voltou a rechaçar as acusações de que um acordo estaria sendo preparado para ajudar políticos do PMDB.

— Não há delito de opinião no Brasil, não é crime você ter opinião, pensar, achar. Nós não temos sequer informação sobre o conteúdo das delações. Como pensar em preparar acordo? Isso é uma coisa absurda e inusitada, como a histeria que nós vivemos — reforçou.

De acordo com órgãos da imprensa, o Ministério Público Federal teria pedido ao Supremo Tribunal Federal o afastamento de Renan da presidência do Senado, bem como estaria nas mãos do ministro Teori Zavascki pedido de prisão contra Renan, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-senador José Sarney, além do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, teria alegado em seu pedido que os quatro estariam atrapalhando, ou tentando atrapalhar, o andamento da Operação Lava Jato, o que todos negam.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)