Delcídio afrontou a dignidade do Senado, diz Randolfe

Da Redação | 10/05/2016, 20h06 - ATUALIZADO EM 11/05/2016, 15h29

Autor da denúncia ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar contra Delcídio do Amaral, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) salientou o “desconforto” da Casa ao decidir sobre a cassação de um senador, mas argumentou que a gravidade dos fatos apurados o convence de que houve quebra de decoro.

— Parece inconteste que a dignidade do Senado foi afrontada e atingida pelo senador Delcídio do Amaral. Em poucos momentos da História o Senado viveu tanto constrangimento — acusou.

Citando a posição da Procuradoria-Geral da República, Randolfe sublinhou que Delcídio usou de prerrogativas parlamentares para oferecer uma rota de fuga ao “notório criminoso” Nestor Cerveró. O senador acrescentou que não cabe contestar a validade da gravação que incrimina Delcídio, pois, na audiência de ontem na CCJ, o próprio Delcídio declarou a gravação válida.

Segundo Randolfe, somente oito senadores foram presos na História da República, e a última prisão de senador ocorreu há mais de cem anos: o caso de Delcídio constitui exceção por sua tentativa de obstrução à Justiça.

Então líder do governo, Delcídio foi preso em novembro do ano passado, preventivamente, no âmbito da Operação Lava Jato, por tentar obstruir a Justiça. Solto em fevereiro pelo Supremo Tribunal Federal após fazer uma delação premiada, Delcídio acusou dezenas de políticos, funcionários públicos, lobistas e empresários envolvimento em corrupção.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)