Senado deve votar destaques ao Marco Legal da Biodiversidade e repartição do ICMS

Da Redação | 15/04/2015, 16h07 - ATUALIZADO EM 16/04/2015, 22h03

O Plenário do Senado iniciou as votações desta quarta-feira (15) tendo primeiro item emendas ao projeto do novo Marco Legal da Biodiversidade que foram destacadas para votação em separado. Na terça-feira (14), os senadores votaram os primeiros destaques.

A principal emenda que será votada trata da data em que passará a valer a isenção da repartição de benefícios para o produto acabado. O texto original do projeto prevê que, a partir da vigência da futura lei, ficarão isentos do pagamento de repartição de benefícios os produtos que tiveram a pesquisa iniciada antes de 29 de junho de 2000. Emenda aprovada na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), entretanto, define que a isenção só deve ser dada a quem iniciou a “exploração econômica” do produto acabado (e não apenas a pesquisa) antes dessa data.

Em seguida, é possível que os senadores votem a PEC 7/2015, que trata da repartição, entre estados de origem e de destino, da arrecadação do ICMS cobrado sobre mercadorias e serviços vendidos a distância (internet e telefone). A proposta foi aprovada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) na parte da manhã com calendário especial de tramitação.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
11h50 CPI da Pandemia: Marcelo Queiroga reconheceu que o Brasil precisa de “mais doses e ativismo maior do governo” junto aos países produtores para acelerar o ritmo de vacinação. “Há uma dificuldade de vacinas a nível mundial. Temos dialogado”.
11h47 CPI da Pandemia: Ao relator, Queiroga avaliou que críticas de Bolsonaro sobre vacinas não tiveram impacto na campanha, já que 85% da população quer ser vacinada. O ministro disse que o Brasil é o 5º país que mais vacina.
11h41 CPI da Pandemia: O ministro Queiroga disse que não foi consultado sobre decreto de proibição de medidas de distanciamento social. Ele também afirmou não ter conhecimento de aconselhamento paralelo ao presidente da República sobre a pandemia.
Ver todas ›