Brasil não corre risco de racionamento de energia, diz Braga na CI

Da Redação | 08/04/2015, 10h00 - ATUALIZADO EM 08/04/2015, 15h30

O Brasil não deverá sofrer racionamento de energia hidrelétrica por causa do baixo nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas, disse nesta quarta-feira (8) o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. Ao comparar a situação atual à de 2001, quando ocorreu a crise do apagão, o ministro ressaltou que o risco de racionamento é baixo, apesar da crise hídrica que o país enfrenta atualmente.

— Comparado com o ano de 2001, mesmo com um volume de água menor nos nossos reservatórios, para qualquer déficit, o nosso risco de racionamento nas regiões Sudeste e Centro-Oeste para o mês de março era de 6,1%. Agora em abril é 4,9%. Isso mostra que a região Sudeste está a cada dia mais distante de qualquer possibilidade de ter racionamento, em que pese tenhamos ainda uma crise hídrica e um volume de água muito menor do que o ano de 2001 — exemplificou.

O ministro participa de audiência pública na CI atendendo a requerimento do presidente da comissão, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN).

De acordo com o ministro, o governo iniciará um projeto de produção de energia solar a partir de equipamentos flutuadores em lagos.

— Se este projeto der certo, o Brasil será capaz de produzir energia solar em quantidade igual ou superior à de uma nova hidrelétrica — afirmou Braga, após citar experiências de instalação de painéis solares sobre a água em outros países.

Braga disse ainda esperar que o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) isente a geração de energia solar fotovoltaica de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Informou também que o governo pretende promover a desoneração do PIS e Cofins e estuda lançar programa para incentivar uso de energias alternativas.

(Mais informações a seguir)

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)