Mandato de Jango é devolvido simbolicamente pelo Congresso Nacional

Patrícia Oliveira | 18/12/2013, 18h30

O mandato de João Goulart (1919-1976) na Presidência da República, cassado há 49 anos, foi devolvido simbolicamente pelo Congresso Nacional nesta quarta-feira (18), em sessão solene. Com a presença da presidente Dilma Rousseff e de vários ministros, os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara dos Deputados, Eduardo Henrique Alves (PMDB-RN) pediram desculpas à família de Jango pela deposição dele no golpe de Estado que deu início ao regime militar (1964-1985).

Para Renan Calheiros, o Parlamento brasileiro fez uma reparação histórica da "inverdade patrocinada pelo Estado contra um ilustre brasileiro, um nacionalista, patriota e reformista". Eduardo Alves falou em "oportunidade de resgate da cidadania no seu mais alto grau". Agradecido, o filho do ex-presidente, João Vicente Goulart, afirmou que o pai "hoje parte como homem".

Presidente popular

No dia 21 de novembro último, por proposta (PRN 4/2013) dos senadores Pedro Simon (PMDB-RS) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), foi anulada a sessão de 2 de abril de 1964, na qual o então presidente do Congresso, Auro de Moura Andrade, declarou vaga a presidência da República, tornando possível o afastamento de João Goulart do poder, apesar de ele estar em território nacional, no Rio Grande do Sul.

Pedro Simon afirmou que o ato mostra que agora o Brasil é um país “libertário e democrático”. Para ele, a devolução do mandato de Jango será lembrada como um dia “histórico e inédito”, para que a verdade histórica seja ensinada às gerações futuras. Simon relembrou ainda fatos da passagem de João Goulart pelo poder e destacou a coragem do ex-presidente ao longo de sua trajetória política.

Randolfe Rodrigues lembrou a "injustiça' contra o único presidente que, ao morrer no exílio, não ganhou homenagens de chefe de Estado. O senador chegou a definir Jango, um campeão de votos, como o presidente mais popular da história do Brasil.

- João Goulart sempre foi coerente por estar sempre do mesmo lado: ao lado dos trabalhadores brasileiros – declarou.

Reformas

Depois da exibição de um vídeo sobre João Goulart, produzido pela TV Senado, e da interpretação do hino nacional pela cantora Fafá de Belém, foi entregue a réplica do diploma de presidente da República a João Vicente Goulart, filho de Jango.

João Vicente lembrou que após a sessão histórica que envergonhou o Legislativo brasileiro  - que havia sido duas vezes presidido por João Goulart - finalmente, "a democracia venceu". Para ele, o golpe militar não foi contra o pai, mas contra as reformas de base que Jango pretendia implantar em beneficio dos mais pobres e de um desenvolvimento econômico mais justo.

Ao comentar o momento político, econômico e social do país atualmente, João Vicente destacou a necessidade da realização de um plebiscito para discutir a reforma eleitoral, além de mudanças no sistema tributário e de mais investimento na educação básica. Ideais defendidos pelo seu pai quando foi presidente da República.

- A trajetória de Jango se coloca acima dos partidos políticos, é parte da história brasileira. Sem ódios, nem ressentimentos, Jango hoje parte como homem. Fica o Jango das reformas de base - afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
21h21 Profissionais liberais autônomos: O Plenário do Senado aprovou o Projeto de Lei 2.424/2020, que cria linha de crédito especial para profissionais liberais autônomos. A matéria segue para a Câmara dos Deputados.
19h38 Adiamento de votação: A pedido de senadores, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, adiou para a próxima semana a votação do PL 1.542/2020, que suspende por 120 dias o reajuste de preços de medicamentos e de planos de saúde.
19h25 Combate à covid-19: O Plenário do Senado aprovou o Projeto de Lei 1.545/2020, que autoriza universidades públicas a produzir respiradores e álcool em gel. A matéria segue para a Câmara dos Deputados.
Ver todas ›