Senadores questionam redução nas próximas das três parcelas do auxílio emergencial

26/06/2020, 19h01

O anúncio do presidente da República, Jair Bolsonaro, de que o governo estenderá o pagamento do auxílio emergencial por mais três meses, mas em parcelas menores, repercutiu no Senado. Parlamentares criticaram a redução dos valores a serem pagos aos cidadãos durante a pandemia de coronavírus. Em vez de três parcelas de R$ 600,00, o governo pretende liberar parcelas de R$ 500,00, de R$ 400,00 e de R$ 300,00.

Os senadores defendem a manutenção do valor do auxílio emergencial. O custo da prorrogação seria de mais de 100 bilhões. Para o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), é preciso avaliar se os cofres públicos realmente não comportam a manutenção do benefício em sua integralidade. Já o senador Rogério Carvalho (PT-SE) avalia que se trata de uma enganação, já que o a soma das três parcelas equivale a R$ 1.200, valor de dois meses do benefício atual.

A reportagem é de Marcella Cunha, da Rádio Senado.



Opções: Download


Senado Agora
18h53 Senado volta ao sistema remoto: O presidente Rodrigo Pacheco anunciou que as sessões do Senado voltarão a ser remotas a partir de quinta-feira (4) até o fim do lockdown no Distrito Federal. Ele acatou sugestão de Randolfe Rodrigues, Eduardo Braga e Jorge Kajuru.
18h19 Compra de vacinas: O Senado aprovou o PLV 1/2021, originário da MP 1.026, que facilita a compra e registro de vacinas contra a covid-19, com dispensa de licitação e regras flexíveis para aquisição de insumos para imunização. A proposta vai a sanção.
Ver todas ›