Líder do governo diz que regras explicam baixa adesão ao programa de repatriação

02/08/2017, 08h03 - ATUALIZADO EM 04/08/2017, 09h03

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), minimizou a baixa adesão à segunda parte do programa de repatriação de dinheiro e bens não declarados de brasileiros no exterior. Para Jucá, a impossibilidade de participação no programa de “parentes de agentes políticos, diretores de autarquias, servidores públicos municipais, federais, estaduais, fez com que não tivesse mais nenhum nicho de declaração que poderia ser feita”.  Já o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) considerou um acerto do Congresso a exclusão de parentes de agentes públicos da repatriação. A reportagem é de Maurício de Santi, da Rádio Senado.



Opções: Download