Gleisi acusa jornal de tentar vincular foto de malas de dinheiro ao PT

Da Redação | 06/09/2017, 13h56 - ATUALIZADO EM 06/09/2017, 14h06

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) criticou, em pronunciamento no Plenário, a capa da edição desta quarta-feira (6) do jornal O Globo, por trazer em sua manchete a denúncia do procurador-geral Rodrigo Janot contra o PT, logo acima da foto das malas de dinheiro apreendidos em um apartamento que seria utilizado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Para a senadora, que é presidente do partido, o grupo Globo "deveria sentir vergonha ao tentar ligar o caso de Geddel ao PT". Este mesmo "sentimento de vergonha" para ela deveria estender-se por parte da Globo ao apoio que, no seu entender, o grupo deu a todo o processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

— Vocês, junto com outros setores muito poderosos da sociedade, jogaram este país no caos. Vocês ajudaram a criar milhões de desempregados, e agora o Brasil está retornando ao mapa da fome. Vocês ajudaram a colocar Temer, Geddel, Rocha Loures no poder, o que dizem agora para as pessoas? — criticou.

Críticas a Janot

Para a senadora, a denúncia de Janot contra o PT é "puramente política", não respeita o devido processo legal e expõe a críticas nacionais e internacionais a atuação do Ministério Público no Brasil. Para ela, a denúncia baseia-se exclusivamente em delações, algumas delas conduzidas pelo ex-procurador Marcelo Miller, sem apresentar nenhuma prova.

— Que escândalo isso, dr. Janot! E vossa excelência vai sair do cargo carimbado pela delação furada da JBS, com seu assessor envolvido numa negociata - protestou Gleisi, referindo-se ao ex-procurador Marcelo Miller. Ela ainda pediu o procurador-geral, a Globo e o juiz Sergio Moro a dizerem "onde estão os sacos de dinheiro do PT", por não se referirem a outros partidos pegos em situações deste tipo como "organização criminosa".

A senadora finalizou dizendo que o PT é perseguido por setores da elite devido ao fato de ter "incluído os pobres no Orçamento", e que o povo reconhece isso hoje, baseando sua avaliação na arregimentação popular provocada pelo ex-presidente Lula em recente caravana pelo Nordeste.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)