Especialistas defendem políticas educacionais para os mais pobres

12/09/2017, 16h39 - ATUALIZADO EM 13/09/2017, 08h06

Se o Brasil quiser atingir as metas do Plano Nacional de Educação as políticas educacionais devem ser direcionadas aos mais pobres. O diagnóstico foi apresentado por especialistas durante audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado (CE). A presidente-executiva do Movimento Todos Pela Educação, Priscila Cruz, afirmou que é preciso “fazer com que as oportunidades educacionais sejam mais equivalentes" e que se dê "mais para quem tem menos”. Atualmente, o total de crianças fora da escola na Educação Infantil é quatro vezes maior entre os mais pobres do que entre os mais ricos. Enquanto entre as camadas mais favorecidas, apenas 14% dos jovens estão fora do ensino médio, entre os mais pobres 50% dos adolescentes entre 14 e 17 anos não estudam. Somente 45,4% das crianças mais pobres são consideradas alfabetizadas até o terceiro ano do Ensino Fundamental, enquanto 98% das crianças mais ricas já estão alfabetizadas aos oito anos de idade. A reportagem é de Marcela Diniz, da Rádio Senado.



Opções: Download


Senado Agora
18h40 Financiamento de campanha: senadores discutem o PLS 206/2017, do senador Ronaldo Caiado, que institui o Fundo Especial de Financiamento de Campanha. O projeto tramita em conjunto com outras propostas.
18h27 PIB-Verde: vai à sanção o PLC 38/2015, que estabelece o PIB-Verde, cujo cálculo deve ser feito anualmente, pelo IBGE, levando em conta iniciativas nacionais e internacionais semelhantes.
18h17 PIB-Verde: começa a discussão do PLC 38/2015, que estabelece o PIB-Verde, em cujo cálculo é considerado o patrimônio ecológico nacional.
Ver todas ›