Sessão Temática

Teto de gastos e tributação regressiva no debate sobre o pós-pandemia

03:12Teto de gastos e tributação regressiva no debate sobre o pós-pandemia

Transcrição LOC: EM SESSÃO TEMÁTICA SOBRE O CENÁRIO DEPOIS DA PANDEMIA, OS DEBATEDORES DEFENDERAM A TAXAÇÃO DE SUPER RICOS E A FLEXIBILIZAÇÃO DO TETO DE GASTOS . LOC: A PROPOSTA QUE AUMENTA O BOLSA FAMÍLIA PARA 300 REAIS TAMBÉM FOI DEFENDIDA COMO SAÍDA PARA PROTEGER OS MAIS VULNERÁVEIS APÓS A CRISE. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA. TÉC: Durante a sessão de debates sobre o pós-pandemia, o professor da Unicamp, Guilherme Melo, disse que o Brasil precisa de regras fiscais mais flexíveis para superar a crise. Segundo Melo, as empresas estão muito endividadas para impulsionar o crescimento da economia e o dinheiro injetado pelo auxílio emergencial não será suficiente. (Guilherme) Diferentemente do que alguns economistas têm dito, o auxílio emergencial, obviamente, impulsionou o consumo num primeiro momento, mas a poupança das famílias, em particular das mais pobres, não aumentou. Então, não vamos acreditar que vai ser o consumo das famílias o que vai nos salvar. Ele nos ajudou a nos estabilizar nesse momento, graças ao auxílio emergencial que os senhores aprovaram. (REP) O economista especializado em orçamento público, Bruno Moretti, defendeu a flexibilização do teto de gastos para induzir a recuperação da economia e permitir o financiamento de serviços públicos essenciais. (Bruno) Trocaríamos uma regra rígida, como a regra da Emenda Constitucional 95, do congelamento das despesas, e a regra de ouro, que seriam suprimidas da Constituição, por uma meta de gastos que viria expressa no PPA para o período de quatro anos. (REP) É o que propõe a PEC 36, recém apresentada pelo senador Rogério Carvalho, do PT de Sergipe. Ela autoriza a criação de despesas específicas fora do teto de gastos em 2021 e 2022 e o descongelamento dos investimentos em saúde, desenvolvimento do ensino e expansão do Bolsa Família, entre outros. A ex-ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello também participou do debate e defendeu a expansão do Bolsa Família. Um projeto de lei neste sentido foi apresentado em agosto na Câmara dos Deputados. Chamado de Mais Bolsa Família, o novo programa quer elevar o benefício de 78 para 300 reais. (Tereza) O Bolsa Família está pronto e é operacional nos 5.571 Municípios do Brasil, funciona e é conhecido em todo o Território nacional, pode ser incrementado imediatamente com menor risco e evita improvisos. É uma temeridade esse negócio de ficar inventando – "vou inventar um novo programa" – tendo o Bolsa Família. Por que não o Bolsa Família? Só há uma explicação: "Vamos tentar tirar esse nome". Isso é um erro. (LOC) A previsão é que o número de famílias beneficiadas suba de 14 milhões para 30 milhões. O dinheiro para financiar o programa viria da Reforma Tributária Solidária, que prevê a taxação dos 0,3% mais ricos para combater a desigualdade social, como explicou Rogério Carvalho. (Rogério) Vamos discutir uma reforma, uma proposta de caminhos para reduzir o caráter regressivo da nossa estrutura tributária – quem paga mais impostos é quem ganha menos. (LOC) O Mais Bolsa Família seria uma transição entre o auxílio emergencial do atual Governo e o programa de renda básica universal, idealizado pelo ex-senador Eduardo Suplicy, que também participou da discussão. Durante a sessão, o senador Esperidião Amim, do PP de Santa Catarina, pediu novos debates sobre o pós-pandemia e chegou a defender a criação de uma comissão temporária para discutir esse tema. Da Rádio Senado, Marcella Cunha

Durante debate sobre o cenário no pós-pandemia, participantes afirmam que a crise sanitária demonstrou a disfuncionalidade das regras fiscais brasileiras. Economistas convidados defenderam que o engessamento do orçamento em função do Teto de Gastos não é adequado para momentos de crise. Eles demonstraram apoio à proposta do senador Rogério Carvalho (PT-SE), autor do requerimento de realização da audiência, que cria regras fiscais mais flexíveis, especialmente para educação e saúde. A reportagem é de Marcella Cunha, da Rádio Senado.


PL 4.086/2020
PEC 36/2020

TÓPICOS:
Auxílio emergencial  Bolsa Família  Câmara dos Deputados  Economia  Educação  Emenda Constitucional  Empresas  Família  Investimentos  Municípios  Orçamento  pandemia  PP  PT  Reforma Tributária  Saúde  Santa Catarina  Senador Eduardo Suplicy  Senador Rogério Carvalho  Sergipe 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo