Weverton defende projeto que congela preços de planos de saúde e medicamentos

Carlos Penna Brescianini | 02/06/2020, 22h50

O senador Weverton Rocha (PDT-MA), que presidiu a parte final da sessão virtual desta terça-feira (2), destacou a importância do projeto de lei que visa suspender temporariamente os aumentos dos preços de planos de saúde e medicamentos. Esse projeto (PL 1.542/2020), do senador Eduardo Braga (MDB-AM) foi aprovado pelo Senado nesta terça e agora será analisado na Câmara dos Deputados.

— É um absurdo que essa indústria que ganha tanto dinheiro, que é a farmacêutica, num período de crise como este, aumente seus preços. Nós temos aí várias denúncias de aumentos abusivos. E nós votamos o congelamento dos preços dos planos de saúde pelos próximos 120 dias e dos preços dos medicamentos por 60 dias. É inadmissível você achar que tem de regular por legislação medidas que os próprios empresários poderiam estar adotando como gesto, até porque eles ganham muito dinheiro — declarou.

Weverton também destacou a aprovação do PL 1.194/2020, projeto de lei do senador Fernando Collor de Mello (Pros-AL), que incentiva e facilita a doação de alimentos e a redução de seu desperdício. Esse texto, que também foi aprovado nesta terça-feira pelo Senado, vai à sanção presidencial.

— Mais de 20 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçadas por ano. Estamos falando de cerca de 10% dos alimentos consumidos no país, que vão para o lixo. E estudos dizem que o Brasil, após essa pandemia, poderá voltar ao mapa da fome e da pobreza. Cinco milhões de brasileiros podem voltar à extrema pobreza. Esse projeto é muito importante — alertou.

Fake News

O adiamento da votação do projeto de lei sobre criminalização de notícias falsas e desinformação, o PL 2.630/2020, também foi comentado pelo senador Weverton,

— Se vai demorar uma semana, dez dias ou duas semanas, não há problema. É o rito legislativo, e o diálogo que vai impor isso. O mais importante é que já há uma consciência e uma decisão política do Senado de que iremos votar esse projeto. É necessário combater as fake news, é necessário combater o anonimato de quem as divulga e combater os CPFs falsos dessas pessoas. Não dá para fingir que o mundo virtual é outro e o real é diferente. Nós iremos fazer o enfrentamento dessa matéria e, assim que haja a construção de uma unidade, iremos trazê-la ao plenário — afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)