Girão: SUS do Ceará deveria permitir cloroquina no início do tratamento da covid-19

Da Redação | 26/05/2020, 17h49

Em pronunciamento nesta terça-feira (26), o senador Eduardo Girão parabenizou a atuação de seu partido, o Podemos, no seu estado, o Ceará, pela iniciativa de entrar com liminar para defender o uso da cloroquina no tratamento da covid-19 logo nos primeiros dias dos sintomas da doença.

Girão disse que o Sistema Único de Saúde (SUS) do Ceará deveria seguir as mesmas medidas já adotadas por outros estados e também aderir aos padrões praticados nas redes de hospitais particulares, que, segundo ele, há dias exercem o direito de ministrar o medicamento, de acordo com o protocolo autorizado pelo Ministério da Saúde. Para Girão, os interesses comerciais não devem estar acima do direito das pessoas a tratamentos mais baratos.

— Eu fico com um sentimento de injustiça com o que está acontecendo. Por que o estado do Ceará não faz como outros estados, já que foi priorizado dentre os demais entes federados e recebeu do governo federal 302 mil pílulas de cloroquina? Onde é que está esse medicamento? O que está por trás disso tudo? Isso é o que me deixa triste e preocupado, já que estado do Ceará está ministrando o remédio lá na terceira fase da doença, quando deveria oferecer já no início dos sintomas. Claro que isso deve ser feito com o consentimento dos pacientes e com os devidos cuidados necessários, além dos todos os exames previstos, como eletrocardiograma para os que têm problemas cardíacos. Mas não pode negar ao povo cearense essa oportunidade. Isso não é justo — argumentou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
13h48 Desrespeito a distanciamento: Eduardo Girão (Podemos-CE) cobrou Mandetta por desrespeito do ex-ministro a distanciamento em duas situações: no Ministério da Saúde e em Campo Grande. Ex-ministro disse que atendeu às regras estabelecidas naquelas circunstâncias.
13h35 Esforço no SUS: Ao ver, em março de 2020, a proporção que a pandemia atingiria no Brasil, foi feito esforço para não "desativar" a saúde no país, com o máximo das possibilidades do SUS, respondeu Mandetta a Humberto Costa (PT-PE).
13h16 Proteção de rebanho: Em resposta a Tasso Jereissati (PSDB-CE), Mandetta disse que o presidente Jair Bolsonaro pode ter se pautado em teorias, como a do coeficiente de proteção de rebanho, em contraposição às orientações de instituições sanitárias.
Ver todas ›