Renan deixa disputa pela Presidência do Senado

Da Redação | 02/02/2019, 18h33 - ATUALIZADO EM 02/02/2019, 18h39

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) renunciou neste sábado (2) à candidatura a presidente do Senado, cargo que disputaria pela quinta vez. Quando fez o anúncio, chegou a receber aplausos de parte do Plenário.

— Quero dizer que Davi [Alcolumbre] não é Davi. É Golias, e ele é o novo presidente do Senado, pois eu retiro minha candidatura. Não vou me submeter a isso.

Renan, porém, foi vaiado ao justificar a decisão de sair da disputa. Indignado, ele criticou o que chamou de “processo não democrático” na segunda votação.

— Onde é que nós estamos? O PSDB anunciou agora que estava abrindo o voto para retirar, contra decisão do Supremo, qualquer possibilidade de termos os votos de José Serra e de Mara Gabrilli. O Flavio Bolsonaro, diferentemente do que fez na votação anterior, abriu o voto, abriu o voto!

Em entrevista aos jornalistas, Renan explicou que, na segunda votação, o que não podia era o PSDB, por pressão, abrir o voto. Isso porque a perspectiva do senador era de ter quatro votos entre os tucanos.

Após a desistência de Renan, cinco senadores continuam na disputa: Angelo Coronel (PSD-BA), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Esperidião Amin (PP-SC), Fernando Collor (Pros-AL) e Reguffe (sem partido-DF).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)