Plenário do Senado aprova indicação para embaixador do Brasil na Namíbia

Da Redação | 27/11/2018, 19h01

O Plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (27) a indicação de José Augusto Silveira de Andrade Filho, para exercer o cargo de Embaixador do Brasil na República da Namíbia. A Mensagem (MSF) 81/2018 recebeu 40 votos favoráveis, um contrário e uma abstenção.

Durante a sabatina na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), na semana passada, o diplomata destacou a riqueza mineral da Namíbia, um dos maiores produtores de urânio do mundo, além de ser um grande produtor de diamantes e de ter reservas expressivas de ouro e platina. A Namíbia também é produtora de cobre e zinco.

O diplomata disse que trabalhará pela assinatura de um acordo bilateral de proteção de investimentos do Brasil com o país africano. Outra prioridade do Itamaraty com a Namíbia é fechar um acordo de isenção de vistos para negócios, também para atrair empresas brasileiras para o país. Por fim, o Brasil também trabalhará para que a Embrapa estabeleça parcerias formais com a nação africana, para cooperar no desenvolvimento de sementes e culturas voltadas para o semiárido.

Namíbia

A República da Namíbia tem população de aproximadamente 2,5 milhões de habitantes. O país destaca-se entre os principais investidores africanos na área social. Aproximadamente 30% do orçamento são destinados especialmente para educação e saúde.

A economia da Namíbia é, em boa medida, dependente da extração e do processamento de minerais para exportação. Cerca de 20% do PIB e de 50% das divisas recebidas pelo país são decorrentes dessa atividade.

No ano de 2017, a corrente de comércio bilateral somou US$ 11,349 milhões, sendo que o Brasil exportou US$ 11,108 milhões para a Namíbia e importou US$ 241 mil do país africano.

A forte queda em relação a 2016, quando a corrente atingiu US$24,196 milhões, foi ocasionada pelo fato de que, naquele ano, o Brasil realizou grande exportação, de mais de US$ 20 milhões, de locomotivas e locotratores para a Namíbia.

Em 2017, o açúcar foi o principal item da pauta de exportações do Brasil (47,5% do total, somando US$ 5,273 milhões), seguido por carnes de frango (33,3% da pauta, ou US$ 3,701 milhões).

As importações brasileiras com origem na Namíbia foram dominadas pelos mármores e outras pedras calcárias de construção, que representaram 72,7% da pauta (US$ 175 mil).

Plantas, sementes e frutos utilizados em perfumaria, medicina e inseticidas representaram 11,4% da pauta de importações (US$ 27 mil).

Estima-se que cerca de 140 brasileiros residam atualmente na Namíbia.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)