Brasil avança no combate ao câncer de mama, destaca Pedro Chaves

Da Redação | 24/10/2018, 14h01 - ATUALIZADO EM 24/10/2018, 14h30

Propostas que popularizam a cultura de prevenção e combate ao câncer de mama foram citadas pelo senador Pedro Chaves (PRB-MS) como uma fórmula de sucesso no combate à doença. Na tribuna, ele falou sobre como a campanha Outubro Rosa, por exemplo, pode evitar a morte de milhares de mulheres brasileiras.

— A campanha Outubro Rosa aumenta o impacto do rastreamento do câncer em todo o país.

Ele lamentou a elevada incidência desse tipo de câncer. São cerca de 58 mil novos casos por ano, de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca). O parlamentar destacou a importância do exame de rotina.

— O câncer de mama é uma doença gravíssima, mas que, se diagnosticada precocemente, a chance de cura vai para 95%. As taxas de mortalidade no Brasil são altas porque o diagnóstico é feito tarde demais. Especialmente a população vulnerável, com maior risco, precisa saber como se autoexaminar — disse.

Pedro Chaves elogiou o projeto que cria o Banco de Próteses Mamárias (PLC 131/2017) para cirurgias de reconstrução da mama em mulheres atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) que fizerem mastectomia. As próteses serão adquiridas por meio de doações de empresas, entidades e pessoas físicas, além de recursos do Orçamento da União. O projeto, já votado na Câmara, aguarda o parecer da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado.

O senador também lembrou a atuação do Senado para garantir mamografia na rede pública de saúde para mulheres acima de 40 anos. No ano passado, os senadores tornaram sem efeito, por meio de um decreto legislativo (PDS 42/2015), uma portaria do Ministério da Saúde (Portaria 1.253, de 2013) que limitava o exame de mamografia a mulheres acima de 50 anos.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)