Bahia elege novos representantes para o Senado

Da Redação | 07/10/2018, 21h16 - ATUALIZADO EM 08/10/2018, 17h16

Selo_Eleições_2018A bancada da Bahia no Senado a partir de 2019 será composta pelo ex-governador e ex-ministro Jaques Wagner (PT), eleito com 35,71% dos votos (4,25 milhões de votos), e Angelo Coronel (PSD), que obteve 32,97% (3,92 milhões). Os dois candidatos eleitos são novatos no Senado.

Jaques Wagner nasceu no Rio de Janeiro, em 1951, mas construiu sua carreira política na capital da Bahia, Salvador. Exerceu o cargo de deputado federal de 1990 a 1998. No primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, foi nomeado ministro do Trabalho. Já em 2005, assumiu o cargo de ministro das Relações Institucionais.

Pela Bahia, Wagner foi eleito governador em 2006, reelegendo-se no pleito seguinte. O político do PT ainda assumiu o cargo de ministro da Defesa do governo Dilma Rousseff e depois o de chefe da Casa Civil, em 2014. Já no último ano de governo de Dilma, em 2016, foi nomeado ministro-chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República. Os suplentes são Adalberto Souza Galvão (PSB) e Luciana Leão Muniz (PR).

Ângelo Coronel

Nascido em 1958 na cidade de Coração de Maria (BA), Ângelo Mario Coronel de Azevedo Martins é engenheiro civil e empresário. Atualmente é presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (Alba). Ângelo Coronel ocupou o cargo de deputado estadual pela primeira vez em 1995. Desde 2003 vem sendo reeleito aos mandatos, sendo o último pelo PSD em 2015.

Antes da atuação na assembleia, foi prefeito da cidade de Coração de Maria entre 1989 e 1992. Em seu mandato como presidente da Alba aprovou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que impede a reeleição do presidente da casa. Ângelo Coronel já passou pelos partidos MDB, PSDB, PL, PR, PP e PSD. Os suplentes são Davidson Magalhães (PCdoB) e Dra. Silvia (PRP)

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)