Relatório do IFI aponta melhora lenta, mas consistente na atividade econômica

Da Redação | 08/05/2018, 21h06 - ATUALIZADO EM 09/05/2018, 10h49

Em seu relatório de acompanhamento fiscal de maio, a Instituição Fiscal Independente (IFI) reitera o diagnóstico de que a economia brasileira está em processo de recuperação sistemática, ainda que lento e enfrentado algumas dificuldades.

De acordo com o diretor-executivo do IFI, Felipe Salto, o quadro econômico do país tem melhorado, apesar da existência de certo nível de ociosidade e da elevação da incerteza dos agentes econômicos quanto ao desempenho futuro.

— Quer dizer, nós estamos em uma recuperação, mas com alguma dificuldade. Isso é evidenciado pela incerteza que aumentou significativamente e pela questão da capacidade ociosa. Por outro lado há indicadores também que mostram alguns sinais positivos compensando um pouco essa história — disse Felipe Salto.

O relatório estima um crescimento da ordem de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2018. Na avaliação de Felipe Salto esse número pode ser considerado “expressivo” pelo fato de a economia brasileira ter passado recentemente, entre 2015 e 2016, por um período de queda significativa.

Pelo documento, a recuperação econômica vem ocorrendo há vários meses, sendo possível verificar uma melhora no mercado de trabalho, ainda que esta esteja pautada na questão do setor informal.

— O mercado formal ainda não está melhorando. Mas no cômputo geral você já vê uma tendência. E os indicadores de indústria, de comércio, todos esses que a gente analisa no relatório, eles indicam uma tendência de alta, mas como eu disse nos últimos dados mensais com um certo tropeço — explica Felipe Salto.

Evolução da dívida

Conforme o estudo da IFI, a dívida pública deverá crescer até 2023 para atingir cerca de 86,6% do PIB, tomando como mais provável a ocorrência de um cenário base, nem otimista e nem pessimista.

— Quer dizer, se a lição de casa for feita, se o ajuste fiscal continuar, se nós conseguirmos uma combinação de medidas que envolvem também o crescimento econômico que tem uma importância muito grande nessa matéria, aí sim a dívida cresce um pouco, mas ela passa a cair a partir de 2023 e 2024 — alertou ele.

Política e economia

Na avaliação de Felipe Salto, as escolhas políticas dos governantes que serão eleitos na próximas eleições serão muito importantes para determinar os rumos que a economia brasileira vai trilhar a partir do próximo ano.

—Então estratégias mais afeitas ao ajuste fiscal podem levar no médio prazo e longo prazo a um crescimento econômico mais alto. Porque isso significa uma sustentabilidade da dívida melhor, uma taxa de juros mais baixa de maneira perene, e aí sim os investimentos e o consumo recuperam. Então de fato essas coisas estão intensamente e intrinsecamente  relacionadas — afirmou.

IFI

Instalada em 30 de novembro de 2016, com o objetivo de ampliar a transparência das contas públicas, a IFI divulga mensalmente estudos, relatórios e notas técnicas sobre decisões da equipe econômica do governo federal e avalia as medidas necessárias para o equilíbrio das contas.

Acesse a íntegra do relatório através deste link: https://www12.senado.leg.br/ifi/publicacoes-1/relatorio/2018/maio/raf-relatorio-de-acompanhamento-fiscal-mai-2018 .

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)