Brasil precisa investir mais na África, alerta diplomata na CRE

Sergio Vieira | 22/03/2018, 14h38 - ATUALIZADO EM 22/03/2018, 17h29

A África é hoje um continente com enorme potencial de crescimento, com 300 milhões de pessoas na classe média, riquíssimo em recursos naturais e com uma maioria de população "jovem e entusiasmada". Esse foi o quadro apresentado pela diplomata Vivian Loss Sanmartin durante sua sabatina na Comissão de Relações Exteriores (CRE) nesta quinta-feira (22). A indicação de seu nome para chefiar as embaixadas brasileiras no Camarões e no Chade foi aprovada pelo colegiado. A MSF 8/2018 segue para análise do Plenário do Senado.

Vivian Sanmartin  defendeu a diplomacia Sul-Sul e a abertura e manutenção de representações brasileiras no continente africano. Reforçou que a África já é tratada internacionalmente como "a próxima fronteira do desenvolvimento capitalista", e disse que o Brasil vai ficar para trás se não solidificar estratégias para a ocupação desses mercados.

- A China por exemplo, somente em seu plano quinquenal 2016-2020, está investindo U$ 60 bilhões em países africanos. São 300 projetos de infraestrutura, uma presença avassaladora. E eles não querem só recursos. Estão olhando para o potencial desses mercados. É claro que não vamos concorrer com a China, mas alerto que países como a Índia e a Turquia também já têm estratégias próprias voltadas para este continente - informou.

Diplomacia Sul-Sul

Para o vice-presidente da CRE, senador Jorge Viana (PT-AC), o Brasil é muito beneficiado, inclusive economicamente, quando busca aproximar-se de nações em desenvolvimento da África, Ásia e América Latina. Ele citou dados relativos ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) segundo os quais estratégias nessa direção produziram um superavit comercial da ordem de U$ 330 bilhões.

- Um número muito superior aos oito anos anteriores, quando o índice foi de U$ 30 bilhões. Além disso, elegemos brasileiros para as presidências da OMC [Organização Mundial do Comércio] e da FAO [Organização das Nações Unidas para a Agricultura], algo que jamais conseguiríamos sem o apoio das nações do Sul - afirmou.

Na sabatina, Vivian Sanmartin disse que o governo de Camarões analisa a possibilidade de aquisição de aviões Supertucano da Embraer, o que será um dos focos de sua atuação caso tenha sua indicação confirmada pelo Senado. Outra prioridade, disse ela, será a exportação de produtos industriais como tratores, escavadoras e máquinas niveladoras.

- Aí a concorrência é direta com a China também. O mesmo se dá na exportação de automóveis, pneumáticos e turbinas hidráulicas, mas o potencial existe, é uma questão de ocupação de mercados - disse.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) pediu que a embaixada priorize a importação de arroz por parte de Camarões, uma vez que a nação africana não produz cereais, enquanto o Rio Grande do Sul tem experimentado excedente na produção. Sanmartin informou que o Itamaraty já desenvolve estratégias nesse sentido, mas observou que até aí será necessário enfrentar a já estabelecida concorrência chinesa.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
19h00 Correção patrimonial: Os senadores aprovaram a criação do Regime Especial de Atualização Patrimonial (Reap), que permite a correção de valores e de dados de bens móveis e imóveis no Imposto de Renda (PL 458/2021). Vai à votação na Câmara.
16h41 Prorrogação de contratos: Os senadores aprovaram a prorrogação de contrato, por tempo determinado, no âmbito do Ministério da Educação, do FNDE, do Inep, do Capes e da ANS (MP 1.009/2020). Vai a promulgação.
Ver todas ›