Movimentos políticos indicam uma nova Europa, afirmam debatedores

Da Redação | 19/03/2018, 20h03 - ATUALIZADO EM 20/03/2018, 11h23

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) promoveu, nesta segunda-feira (19), uma audiência pública para debater os novos movimentos políticos europeus. Os convidados observaram que os movimentos políticos de contestação, de direita e de esquerda, podem levar a uma nova realidade política e econômica na Europa.

O professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Leonardo Nelmi Trevisan disse que o populismo, o separatismo e o nacionalismo conflitam com os interesses históricos do Ocidente. Como exemplo, ele citou a unidade europeia como o ideal planejado. Ele mencionou o "Brexit", a saída da Inglaterra da União Europeia, o que representa um "fator de disrupção bem forte".

O professor acrescentou que partidos nacionalistas de extrema direita e de extrema esquerda estão unidos no questionamento do modelo atual de Europa. Ele ainda afirmou que conflitos diplomáticos entre a Inglaterra e a Rússia e as diferenças políticas e econômicas entre a França e a Alemanha são exemplos desse tipo de desgaste.

Leonardo Trevisan elogiou a atuação do Banco Central Europeu, que garantiu a sobrevivência do Euro mesmo com a crise econômica mundial de 2008. Ainda assim, disse o professor, a comunidade europeia hoje está dividida entre “Europa do Norte” e “Europa do Sul”. De acordo com Trevisan, países como Grécia, Portugal, Espanha e partes da Itália estão distantes da realidade de países como a Alemanha ou a Suécia. Assim, a visão nacionalista começou a renascer na Europa.

— Temos uma Europa em movimento, e não necessariamente para o lado multilateral — afirmou.

Catalunha

Para o professor do Centro Universitário de Brasília (UniCeub) Mário Drumond Coelho, a questão de separação da região da Catalunha do restante da Espanha é uma incógnita. Ele disse não ser possível entender a lógica do separatismo. Sendo assim, é preciso olhar a realidade da Catalunha.

O professor sublinhou que o processo separatista da Catalunha tem raízes históricas, desde o século 14. Ele lembrou que uma separação tem também detalhes jurídicos — e a constituição espanhola trata seu país como “indissolúvel”. Assim, na opinião de Coelho, o referendo realizado no ano passado sobre a independência catalã foi ilegal, já que a competência para esse tipo de consulta pertence ao poder central da Espanha.

— O referendo da separação violou a soberania espanhola, a unidade do território e a supremacia da constituição — afirmou Coelho.

A audiência ocorreu dentro do ciclo de debates O Brasil e a Ordem Internacional: Estender Pontes ou Erguer Barreiras?, com foco na Europa, e foi dirigida pelo presidente da comissão, senador Fernando Collor (PTC-AL). Ele anunciou que a CRE voltará a se reunir na quarta-feira (21), às 14h, para uma audiência pública do grupo Brasil-Marrocos.

Outra audiência pública está marcada para o dia 2 de abril, às 18h, quando a comissão debaterá as eleições presidenciais na América Latina e suas consequências para a integração da região.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)