Desafios do Brasil frente a mudanças climáticas é tema de série da Rádio Senado

Da Redação | 20/11/2017, 21h44 - ATUALIZADO EM 21/11/2017, 19h42

Combate ao desmatamento, desenvolvimento dos biocombustíveis, investimentos para a agricultura de baixo carbono, redução das emissões de gases de efeito estufa. O Brasil já sabe o que fazer para cumprir suas metas no Acordo de Paris. O desafio agora é como implementar as ações. Durante participação na COP-23, a Conferência das Partes sobre o Clima, na Alemanha, a delegação brasileira, que incluiu senadores e deputados, mostrou que tudo vai depender de um trabalho conjunto entre governo, Congresso Nacional, cidadãos e empresas.

Eleito ganhador do Prêmio Fóssil do Dia, por uma liga internacional de ONGs, o Brasil ainda demonstra que terá de alinhar o seu discurso com as ações ambientais, já que uma Medida Provisória em análise no Congresso pode converter o cenário positivo em relação à redução da produção de combustíveis fósseis no país. A MP 795/2017, que prevê incentivos fiscais a indústria petrolífera, foi duramente criticada por parlamentares, ambientalistas e pelo ministro de Meio Ambiente, Sarney Filho.

Por outro lado, durante o evento, o Brasil anunciou um projeto de incentivo à produção de biocombustíveis que prevê metas compulsórias de reduções de emissões de gases de efeito estufa anualmente e compensações para quem produzir e utilizar biocombustíveis. Presidente da Comissão Mista de Mudanças Climáticas, o senador Jorge Viana (PT-AC) avalia que a COP-23 chega ao fim marcada por avanços, mas com sinalização de retrocessos.

— O desafio brasileiro é enorme porque o Brasil é um país megadiverso —, destacou.

Durante a conferência, o Brasil ainda viu seus investimentos em área ambiental serem ampliados com a injeção de 100 milhões de euros doados pelos governos da Alemanha e do Reino Unido. Os recursos, que já foram liberados, serão destinados exclusivamente para projetos de conservação de comunidades da floresta.

A série especial “Senado na COP-23: Os desafios do Brasil para enfrentar as mudanças climáticas” foi produzida pela jornalista Paula Groba, enviada especial à Alemanha para acompanhar o evento, e vai ao ar às 8h30, até a sexta-feira (24/11), no programa Conexão Senado.

COMO OUVIR - Os desafios do Brasil para enfrentar as mudanças climáticas

Dia e horário: até sexta-feira (24/11), às 8h30, no programa Conexão Senado
Para sintonizar: a Rádio Senado transmite sua programação para Brasília e regiões vizinhas na frequência de 91,7 MHz e para outras nove capitais: Cuiabá (102,5 MHz), Fortaleza (103,3 MHz), João Pessoa (106,5 MHz), Manaus (106,9 MHz), Natal (106,9 MHz), Rio Branco (100,9 MHz), Teresina (104,5 MHz), Macapá (93,9 MHz) e São Luís (96,9 MHz).
Pela internet: os programas da Rádio Senado são distribuídos para quase 3 mil emissoras no país por meio da Rádio Agência e podem ser acessados (aqui).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
COP 23 Efeito estufa Rádio Senado