José Pimentel diz que impeachment não tem base legal e critica o juiz Sérgio Moro

Da Redação e Da Rádio Senado | 28/03/2016, 16h58 - ATUALIZADO EM 29/03/2016, 09h37

Após condenar os que, a seu ver, querem derrubar sem base legal uma presidente honesta e eleita democraticamente, o senador José Pimentel (PT-CE) reclamou que os deputados estão analisando com rapidez o pedido de impeachment de Dilma Rousseff, enquanto o pedido de cassação do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), caminha a passos de tartaruga apesar das provas existentes contra o parlamentar.

José Pimentel avalia que o pedido de impeachment não respeita as exigências legais e destacou que um grupo de juristas, advogados, professores de Direito e estudantes entregou à presidente da República um manifesto defendendo a legalidade e a democracia e condenando o pedido de impedimento, por considerá-lo sem base legal.

— Finalizo reafirmando minha crença nas instituições do nosso país. Neste momento em que vivemos essa crise, é fundamental o debate franco e fraterno entre brasileiros e brasileiras. Por isso, nesta quinta-feira, dia 31 de março, os verdadeiros democratas estarão nas ruas para defender o Estado Democrático de Direito — afirmou.

Moro

Pimentel ainda disse que tem havido "ataques ao Estado de Direito", citando como exemplo o episódio do que chamou de violação do sigilo telefônico de conversa da presidente Dilma Rousseff com o ex-presidente Lula. Pimentel disse que erros do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato, já estão sendo revistos pelo Supremo Tribunal Federal. E sublinhou que um grupo de senadores entrou com reclamação disciplinar contra o juiz no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que avalia denúncias de abuso de autoridades do judiciário.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)