Homenagem destaca atualidade das ideias de José Bonifácio

Laércio Franzon e Paulo Cezar Barreto | 13/06/2013, 20h25

Em sessão especial de comemoração dos 250 anos do nascimento de José Bonifácio de Andrada e Silva, nesta quinta-feira (13), o presidente do Senado, Renan Calheiros, destacou o Patriarca da Independência como "referência fundamental" na formação da nacionalidade brasileira. Para o senador, depois de dois séculos, as preocupações de José Bonifácio, suas ideias e seus projetos políticos permanecem atuais.

- Ele foi o primeiro político a se preocupar com a questão ambiental e com a utilização racional do solo. Isso em 1823, quando já previa que o desmatamento em encostas afetaria o clima e a vida nas cidades - lembrou.

Renan registrou a participação fundamental de José Bonifácio em todo o processo de independência e seu trabalho "visionário" na Assembleia Nacional Constituinte do Império, quando defendeu a reforma agrária, a educação básica e a proteção dos índios, além de propor a emancipação gradual dos escravos.

- Ele é a marca fundamental do nascimento de um Brasil independente. Sua visão estratégica nos garantiu a oportunidade de iniciarmos um novo destino para o nosso país. Essa sintonia com a nova ordem, com as ruas, com a mudança, é, sem dúvida, um dos maiores legados de José Bonifácio, sobre o qual devemos refletir diariamente.

O senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), autor do requerimento de homenagem a José Bonifácio, apresentou um currículo detalhado do Patriarca da Independência, falando sobre sua formação intelectual, com os estudos de lógica, retórica e língua francesa em São Paulo, até a graduação em Direito Civil e Ciências Naturais na Universidade de Coimbra, em 1783.

Inácio mencionou os vários cargos ocupados por José Bonifácio em Portugal e no Brasil - após o seu retorno ao país, em 1819, ele se tornou o primeiro brasileiro a ocupar um ministério, o do Reino. O senador também destacou a participação voluntária de José Bonifácio, em 1807, na luta contra as tropas de Napoleão Bonaparte que haviam invadido Portugal. No episódio, atuou como comandante do Corpo Voluntário Acadêmico.

- Recordamos José Bonifácio, nestes 250 anos de seu nascimento, para melhor enfrentarmos as tarefas e desafios atuais, levando em conta suas indicações de estrategista, de estadista, de chanceler preocupado com a unidade nacional e a defesa de nossas fronteiras, de brasileiro que pleiteava que nosso país ocupasse uma posição estratégica na América Latina e no mundo - disse.

Falando em nome da família, o subprocurador-geral da República José Bonifácio Borges de Andrada agradeceu ao Senado e relembrou as várias celebrações em memória de José Bonifácio ocorridas no Brasil: em 1872, por iniciativa de D. Pedro II, na comemoração do primeiro Cinquentenário da Independência; em 1913, em cerimônia do Congresso Nacional; e em 1963, por ocasião do bicentenário do nascimento de José Bonifácio.

- Agradeço emocionado em nome da família, mas primeiro e antes de tudo, agradeço como cidadão. Entendo que o Senado Federal, ao reverenciar a memória do principal fundador da pátria, de certo modo reafirma a nossa identidade nacional. E como cidadão e patriota, também não posso deixar de não só agradecer ao Senado Federal como também de me associar a essa própria homenagem como um simples cidadão já que José Bonifácio não é mais uma pessoa da minha família, é um cidadão da pátria, é um cidadão do mundo - afirmou o subprocurador, descendente direto do irmão do patriarca, Martim Francisco Ribeiro de Andrada.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: