Humberto Costa pede reflexão sobre morte de jornalista homossexual em Pernambuco

Da Redação | 22/11/2012, 14h30

Em pronunciamento nesta quinta-feira (22), o senador Humberto Costa (PT-PE) lamentou a morte do jornalista goiano Lucas Cardoso Fortuna, de 28 anos, ocorrida no último domingo (18). Ativista dos direitos dos homossexuais, o jovem foi encontrado morto na praia de Calhetas, no Cabo de Santo Agostinho, litoral sul de Pernambuco. Uma das suspeitas é de que o jornalista tenha sido vítima de crime motivado por homofobia. Para o parlamentar, o caso reacende a discussão sobre violações de direitos de LGBTs.

Lucas era presidente do PT no município de Santo Antônio de Goiás. Além disso, participou da fundação do Grupo Colcha de Retalhos, que luta pela causa LGBT na Universidade Federal de Goiás (UFG). O jornalista estava em Pernambuco para participar de um evento como árbitro pela Federação Goiana de Voleibol.

- Esse caso reacende um debate muito importante em Pernambuco e no país, o da discriminação, especificamente o da violência contra a população formada por gays, lésbicas, bissexuais e transexuais. É inconcebível que, nos dias de hoje, exista espaço para o ódio e para a intolerância por motivos de orientação sexual - disse Humberto Costa.

Segundo a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, somente no ano passado, o Brasil registrou mais de 278 assassinatos motivados por homofobia.

Humberto Costa afirmou que o governo está se empenhando no combate à homofobia e citou iniciativas como a criação dos comitês estaduais de enfretamento à homofobia, que estão sendo instalados em todo o país, e a campanha Brasil sem Homofobia.
-  Precisamos avançar para que nós brasileiros e brasileiras tenhamos uma sociedade mais tolerante e mais humana. Devemos repudiar veementemente os crimes bárbaros de motivação homofóbica com esse a que tudo indica vitimou Lucas Cardoso Fortuna – disse o senador.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: