Municípios com áreas de risco terão de elaborar plano diretor até dezembro de 2016

Da Redação | 30/08/2011, 16h55


Municípios que apresentem áreas de risco, como encostas de morros e várzeas de rios, terão que elaborar e aprovar plano diretor de ordenamento territorial até 31 de dezembro de 2016. Isso é o que estabelece projeto de lei (PLS 23/11) do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) aprovado por unanimidade na tarde desta terça-feira (30), em decisão terminativa, pela Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR).

A proposta altera o Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01) para adequar a situação desses municípios às exigências da Lei 12.340/10, que trata do Sistema Nacional de Defesa Civil (Sindec). Essa lei prevê a assinatura de um termo de adesão de estados e do Distrito Federal ao Sindec, a partir do qual esses entes federados terão prazo de 180 dias para mapear suas áreas de risco, levantamento que deverá ser atualizado anualmente.

Por outro lado, a Constituição Federal atribui à União competência para "elaborar e executar planos nacionais e regionais de ordenação do território" e obriga os municípios com população superior a 20 mil habitantes a elaborarem plano diretor. Apesar dessa exigência legal, o relator, senador Ciro Nogueira (PP-PI), afirma ainda haver amplas áreas do território nacional sem plano urbanístico, estando vulneráveis, portanto, à ocupação predatória do solo.

Na justificação do PLS 23/11, Lindbergh Farias observou que a ocupação de áreas de risco não ocorre apenas nas grandes cidades. O problema é que os pequenos municípios, conforme acrescentou, não estão obrigados a aprovar um plano diretor de ordenamento territorial. O parlamentar comentou ainda que o estudo realizado por essas cidades deveria ter conteúdo simplificado e ser elaborado com o apoio da União e dos estados.

Para ver a íntegra do que foi discutido na comissão, clique aqui.

Simone Franco e Augusto Castro / Agência Senado

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
11h59 Monitoria no ensino médio : A Comissão de Educação aprovou projeto de lei do Senado (PLS 170/2018) que determina que a regulação de monitoria no ensino médio deve ser feita por normas dos sistemas de ensino. O texto seguiu para o Plenário.
11h52 Programa Senado Educador: A Comissão de Educação aprovou projeto de lei do Senado (PRS 21/2019) que cria o Programa Senado Educador, destinado a contribuir para a melhoria da qualidade do ensino. A matéria vai à Comissão Diretora.
11h16 Professor da educação básica : A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) aprovou projeto de lei da Câmara (PLC 88/2018) que estabelece diretrizes para a valorização dos profissionais da educação escolar básica pública. A matéria seguiu para a CCJ.
Ver todas ›