CPI ouvirá o delegado José Castilho e o procurador Luiz Francisco

Da Redação | 25/07/2003, 00h00

Um dos depoimentos mais esperados pelos integrantes da CPI do Banestado está marcado para a próxima terça-feira (29), quando os parlamentares ouvem, a partir das 10h, o delegado da Polícia Federal José Castilho Neto, que conduziu o inquérito sobre as remessas irregulares para a agência do Banestado em Nova York, feitas a partir das contas de não residentes, as chamadas CC-5, abertas em Foz do Iguaçu.

Pela primeira vez, Castilho falará oficialmente sobre as nove contas daquela agência do Banestado que receberam depósitos originários de contas CC-5 e que tiveram o sigilo bancário quebrado pela Justiça dos Estados Unidos. O delegado permaneceu 74 dias em Nova York buscando informações junto à Promotoria e ao Departamento de Justiça daquela cidade norte-americana. Ele foi afastado do inquérito que investiga as contas do Banestado e assessora atualmente o senador Magno Malta (PL-ES), que integra a CPI.

Os parlamentares da CPI decidiram que a audiência com o delegado Castilho será pública e que qualquer mudança para torná-la reservada, se houver informações sigilosas do depoente, será discutida e aprovada na própria reunião. Essa posição foi firmada após os debates, na última quarta-feira (23), sobre o requerimento do deputado Edmar Moreira (PL-MG), que solicitava a transformação da audiência com Castilho em sessão sigilosa.

Na mesma reunião de quarta-feira (23), a CPI aprovou requerimento do deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ) para que sejam ouvidos os peritos criminais Eurico Monteiro Montenegro e Renato Rodrigues Barbosa, que trabalharam com Castilho no inquérito nº 207, que agrupou as investigações das contas no Banestado. A CPI também aprovou requerimento do deputado Dimas Ramalho (PPS-SP) para que o ex-gerente da agência do Banestado em Nova York, Gilson Girardi, preste esclarecimentos sobre as transações irregulares verificadas naquele banco.

Procurador

O outro depoimento marcado para a próxima semana é o do procurador Luiz Francisco de Souza, que será ouvido na quarta-feira (30), a partir das 10h. O procurador coordena o núcleo formado no Ministério Público da União para investigar o envolvimento de autoridades de órgãos governamentais no esquema de evasão de divisas por intermédio das contas CC-5.

Luiz Francisco prontificou-se a colaborar com os trabalhos da CPI, afirmando possuir informações importantes para auxiliar as apurações dos parlamentares sobre as remessas irregulares de recursos ao exterior. O procurador chegou a elaborar uma proposta de roteiro para orientar as investigações da CPI, iniciativa bastante criticada por alguns integrantes da comissão.

A CPI ainda não marcou as datas para outras audiências aprovadas pelos seus integrantes. Duas delas estão sendo apontadas por alguns membros da CPI entre as mais importantes: com o ex-inspetor de câmbio do Banco Central, Américo Parada Garcia Filho, tido como um -profundo conhecedor- das operações relacionadas com as contas CC-5, e com o corretor do mercado financeiro de São Paulo, Ricardo Sestine Júnior, que deteria -informações valiosas- sobre as contas do Banestado no exterior.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
12h29 Ordem do Dia: O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, anunciou que não haverá votações nesta quinta-feira porque a Câmara não concluiu a votação da MP 870/2019.
11h54 Incentivo à inclusão: A Comissão de Direitos Humanos (CDH) aprovou o Projeto de Lei 1.281/2019 que oferece incentivo fiscal para empresas que contratam pessoas com deficiência. A matéria segue para a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).
11h51 Dedução de próteses: A Comissão de Direitos Humanos aprovou o Projeto de Lei 1.254/2019 que permite a dedução de despesas com próteses e órteses no Imposto de Renda de Pessoa Física. A matéria segue para a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).
Ver todas ›