Votação de moratória em construção de usinas nucleares tem novo adiamento

Da Redação | 09/05/2017, 16h33 - ATUALIZADO EM 09/05/2017, 17h37

A votação de projeto de lei (PLS 405/2011), que suspende a construção de novas usinas termonucleares pelo prazo de 30 anos, foi adiada pela Comissão de Meio Ambiente (CMA) nesta terça-feira (9). A proposta, do senador Cristovam Buarque (PPS-DF), recebeu parecer contrário do relator, senador Valdir Raupp (PMDB-RO).

O novo adiamento foi motivado pela aprovação de requerimento de informações ao Tribunal de Contas da União (TCU). Cristovam quer saber se há ou não falhas no projeto e na execução da usina nuclear de Angra 3, no Rio de Janeiro; se há ou não risco de impacto ou danos ambientais em sua operação; e também risco de ocorrer acidentes com danos humanitários.

— Todos sabem que houve corrupção em Angra 3, um almirante chegou a ser preso e eu me pergunto: para haver propina, se superfatura a obra sem mexer na segurança ou se reduz a segurança? — indagou Cristovam.

Apesar de reconhecer a energia nuclear como a de geração “mais limpa”, o senador pelo Distrito Federal considera prudente essa moratória de 30 anos, para que o país “possa investir em tecnologia e fazer centrais nucleares com tranquilidade.”

Por sugestão do vice-presidente da CMA, senador Wellington Fagundes (PR-MT), Cristovam apresentará ainda outro requerimento, solicitando uma visita de membros da comissão e técnicos do TCU a Angra 3. O PLS 405/2011 será votado ainda pelas Comissões de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e de Serviços de Infraestrutura (CI), nesta em decisão final.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)