Eunício participa de lançamento de coletânea de discursos e poemas de Ronaldo Cunha Lima

Da Redação | 25/04/2017, 21h46 - ATUALIZADO EM 26/04/2017, 17h43

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, participou na segunda-feira (24) do lançamento de livro com uma coletânea de discursos e poemas do ex-senador Ronaldo Cunha Lima (1936-2002). “Um dos homens mais cultos, mais brilhantes e, ao mesmo tempo, mais simples, que passaram por esta Casa”, disse Eunício Oliveira, ao falar do primeiro volume da Coleção Senadores da República: discursos memoráveis, editada pelo Instituto Legislativo Brasileiro (ILB).

Com 224 páginas, o livro é dividido em três partes: na primeira, 27 discursos proferidos entre 1995 e 2002; na segunda, 12 poemas; e, na terceira, 48 fotos de sua vida pública.

O presidente do Senado disse ainda que “a memória de um povo, de um país e de uma instituição é edificada a partir de seus protagonistas”, como o ex-senador Ronaldo Cunha Lima, que além de político, foi jurista e literato.

Filho do homenageado, senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que é vice-presidente do Senado, se disse particularmente emocionado. Ele ressaltou o legado de humanismo e solidariedade deixado pelo pai, além de sua capacidade intelectual, carisma e habilidade como gestor. “Ele exerceu todos os cargos eletivos, menos o de Presidente da República, e o fez com muito espírito público”.

Cássio Cunha Lima destacou ainda as qualidades de oratória do pai e algumas das marcas que deixou como primeiro-secretário do Senado, em especial a ampliação do espaço da Biblioteca e a criação do Programa Interlegis. Ele também agradeceu aos presentes, muitos vindos da Paraíba, aos senadores e aos servidores do ILB, que possibilitaram a edição do livro.

Outros senadores, como Tasso Jereissati (PSDB-CE) e Antonio Anastasia (PSDB-MG) também sublinharam as qualidades de poeta e orador de Ronaldo Cunha Lima. O senador José Agripino (DEM-RN) lembrou ter convivido com ele no Senado e como governador, pois no mesmo período um governo a Paraíba e outro governou o Rio Grande do Norte. Os parlamentares elogiaram a iniciativa do ILB, por preservar a memória de senadores e “eternizarem pessoas e ideias”, como disse Agripino.

O diretor-executivo do ILB, Helder Rebouças, destacou que o ex-senador Ronaldo Cunha Lima — que dá o nome ao prédio do Programa Interlegis, hoje incorporado ao Instituto — merece homenagens não apenas pelo lado institucional, como pelo lado pessoal. Cearense, lembrou que o então Primeiro-Secretário dominava bem a linguagem de cordel.

Da assessoria do ILB

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)