CAE poderá votar criação de fundo para construção de aterros sanitários

Da Redação | 10/02/2017, 21h01 - ATUALIZADO EM 13/02/2017, 09h31

A criação do Fundo Nacional de Aterros Sanitários (FNAS) poderá ser votada neste semestre, em decisão terminativa, pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Projeto de Lei do Senado (PLS) 207/2012, do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), prevê financiamento para construção de aterros sanitários, que serão selecionados de acordo com os objetivos e metas traçados pelo Plano Nacional de Resíduos Sólidos.

A proposta já foi aprovado pelas comissões de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) e de Assuntos Sociais (CAS).

Pelo texto, serão cobertas pelo novo fundo despesas com estudo de viabilidade técnica e de impacto ambiental, bem como com a aquisição de terrenos. Os municípios beneficiados deverão oferecer contrapartida obrigatória de no mínimo 30% do valor do projeto.

Ao justificar a iniciativa, Eunício Oliveira afirma que "o Brasil ainda destina grande parte do lixo de forma incorreta". Embora os lixões tenham sido reduzidos de 88% para 51% e os aterros sanitários tenham chegado a quase 28% das unidades de destinação de resíduos, o objetivo da atual política de resíduos sólidos no país é eliminar completamente os lixões, como lembra o parlamentar.

O relator na CAE, senador Hélio José (PMDB-DF), citou dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), segundo os quais 59,6% dos municípios não contam com instrumentos adequados de destinação ambiental de seus resíduos sólidos.

A eliminação completa dos lixões foi uma meta estabelecida para agosto de 2014 pela Lei 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Em 1º de julho de 2015, o Senado aprovou o PLS 425/2014, que prorroga o prazo para a disposição final ambientalmente adequada desses resíduos. Essas datas variam de 31 de julho de 2018 a 31 de julho de 2021, de acordo com o porte do município.

Essa proposta foi encaminhada à Câmara dos Deputados, onde tramita como Projeto de Lei 2.289/2015 e aguarda a criação de uma comissão temporária pela Mesa da Casa. O projeto prevê também que a União editará normas complementares para definição de critérios de priorização de acesso a recursos federais destinados a implementar as ações de disposição final dos resíduos sólidos.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)