Plenário pode votar pedido de urgência para regulamentação de greve no funcionalismo

15/02/2017, 10h21 - ATUALIZADO EM 15/02/2017, 15h10

O Plenário do Senado pode decidir na sessão desta quarta-feira (15) se o projeto que trata do direito de greve no serviço público (PLS 710/2011) será votado em regime de urgência. A proposta está em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), mas pode seguir diretamente para o Plenário caso o requerimento de urgência seja aprovado. Do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), o texto determina que a paralisação poderá ser decretada somente após negativa do Poder Público de atender às reivindicações e aprovação numa assembleia. O projeto obriga ainda a manutenção de 50, 60 ou 80% do efetivo, dependendo da importância da prestação dos serviços, a exemplo, de saúde e segurança. O líder da minoria, senador Humberto Costa (PT-PE), antecipou que a oposição votará contra a urgência do projeto por defender uma discussão maior nas comissões permanentes. A reportagem é de Hérica Christian, da Rádio Senado.



Opções: Download


Senado Agora
20h30 Sessão extraordinária: Foi cancelada a sessão extraordinária marcada para a noite desta quarta-feira. Uma nova sessão foi convocada para quinta-feira às 10h. Há mais de dez horas, senadores discutem na CCJ a proposta de reforma trabalhista.
17h27 Sessão extraordinária: após discurso de Renan Calheiros, o presidente Eunício Oliveira encerrou a sessão, convocando sessão extraordinária para às 19h30. A intenção é esperar o fim da votação da reforma trabalhista (PLC 38/2017) na CCJ.
17h12 Liderança do PMDB: senador Renan Calheiros anuncia em Plenário que está deixando a liderança do PMDB. Uma das justificativas foi o fato de o governo tratar o partido "como um departamento do Poder Executivo".
Ver todas ›