Reforma da Previdência

Relator da Previdência busca equilíbrio entre frear endividamento e não prejudicar os mais pobres

02:41Relator da Previdência busca equilíbrio entre frear endividamento e não prejudicar os mais pobres

Transcrição LOC: A COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA TEVE SEU QUARTO CICLO DE DEBATES SOBRE REFORMA DA PREVIDÊNCIA NA TARDE DESTA QUARTA-FEIRA. LOC: O RELATOR, SENADOR TASSO JEREISSATI, DISSE TER UM PAPEL DIFÍCIL MAS GARANTE QUE VAI DIALOGAR COM TODOS OS SETORES E PRESERVAR OS MAIS VULNERÁVEIS. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA TÉC: O relator da Reforma da Previdência, senador Tasso Jereissati, do PSDB do Ceará, participou do debate na Comissão de Constituição e Justiça e disse que tem como meta enfrentar a questão fiscal sem prejudicar a população, principalmente a parcela mais vulnerável. (Tasso) Não existe essa perspectiva de um endividamento ilimitado e existem determinados setores que estão, de alguma maneira, não de acordo com suas expectativas e até algumas injustiças. Nosso papel é tentar equilibrar esses dois problemas. (REP) O debate contou com diversos participantes, que trouxeram preocupações com pontos específicos da Reforma. A especialista em Assistência Social e Pobreza, Luciana Jaccoud, chamou a atenção para mudanças no BPC, sobretudo o benefício concedido às pessoas com deficiência. Para reduzir a quantidade de processos judicias, a proposta inclui na Constituição que a condição de miserabilidade se comprova por renda mensal familiar inferior a um quarto de salário mínimo. (Luciana) Não se enfrenta com a constitucionalização de uma linha de pobreza, ao contrário essa consolidação constrangeria as possibilidades de proteção desses grupos que tem sido amplamente beneficiados pelo BPC, tanto no sentido de reduzir a pobreza quanto de reduzir as suas vulnerabilidades sociais. (Rep) Sobre servidores públicos, o Consultor Legislativo do Senado, Luiz Alberto dos Santos, criticou as regras de transição e a manutenção do pedágio de 100% do tempo que faltar na data promulgação da futura emenda constitucional para atingir o tempo de contribuição. Para ele, são regras difíceis de serem alcançadas principalmente por aqueles que ingressaram no serviço público há menos de 20 anos. (Luiz) Isso é aquilo que o professor Paulo Modesto tem chamado, como também outros juristas, de corrida de obstáculos com obstáculo móvel. Ou seja, a pessoa vai correndo atrás do obstáculo, mas ele cada vez está mais distante o que frustra a segurança jurídica. (Rep) Já Rosângela Piovizani, do Movimento de Mulheres Camponesas, disse que, ainda que a aposentadoria rural tenha ficado de fora da proposta, os trabalhadores do campo são afetados, por exemplo, pela redução do valor das pensões para quem já recebe aposentadoria. (Rosângela): Pode ser que hoje os rurais ficaram fora, mas que a gente fique em alerta 24h porque a todo momento tem algo mexendo na Câmara e no Senado sobre as nossas vidas. (Rep) Mais duas audiências públicas sobre a Reforma da Previdência estão previstas para esta quinta-feira. Da Rádio Senado, Marcella Cunha

A Comissão de Constituição e Justiça segue com o ciclo de debates sobre reforma da Previdência (PEC 6/2019). Na tarde desta quarta-feira (21), foram discutidos temas específicos como BPC, regras de transição e pensão por morte. O relator, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), disse que tem como meta enfrentar a questão fiscal sem prejudicar a população, principalmente a parcela mais vulnerável. A reportagem é de Marcella Cunha.

Notícias relacionadas

CCJ faz penúltimo debate sobre Previdência

Em debate na CCJ, sindicalistas criticam reforma da Previdência

TÓPICOS:
Aposentadoria  Assistência Social  Ceará  Constituição  Emenda Constitucional  Justiça  Pessoas com Deficiência  Pobreza  Previdência  PSDB  Reforma da Previdência  Segurança  Senador Tasso Jereissati  Serviço Público  Servidores públicos  BPC  pensão  pensão por morte  regras de transição  CCJ 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo