Reforma da Previdência

Calendário prevê votação da reforma da Previdência no dia 24 de setembro

Terá início na próxima semana a rodada de audiências públicas para discussão da reforma da Previdência (PEC 6/2019) na Comissão de Constituição e Justiça. Mais de 70 pessoas foram convidadas, entre contrárias e favoráveis às mudanças nas regras de aposentadoria. A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), disse que a reforma poderá ser votada em segundo turno no Plenário até o dia 10 de outubro. O líder do PT, Humberto Costa (PE), acredita que a oposição terá tempo para fazer mudanças à proposta. As informações são da repórter Hérica Christian.

15/08/2019, 18h17 - ATUALIZADO EM 15/08/2019, 19h01
Duração de áudio: 02:01
Senadora Simone Tebet (MDB-MS) concede entrevista coletiva. 

Foto: Pedro França/Agência Senado
Foto: Pedro França/Agência Senado

Transcrição
LOC: NOVO CALENDÁRIO PREVÊ VOTAÇÃO, EM PRIMEIRO TURNO, DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA NO DIA 24 DE SETEMBRO, UMA SEMANA DEPOIS DO INCIALMENTE PROGRAMADO. LOC: MAIS DE SETENTA CONVIDADOS VÃO DISCUTIR AS MUDANÇAS NAS REGRAS DE APOSENTADORIA EM TRÊS DIAS DE AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA PRÓXIMA SEMANA. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN (Repórter) Em três dias de audiências públicas, a Comissão de Constituição e Justiça vai ouvir mais de 70 convidados sobre a Reforma da Previdência. Na terça-feira, estarão presentes o secretário especial de Trabalho e da Previdência, Rogério Marinho, e representantes das polícias. Na quarta-feira, falarão sobre as mudanças nas regras de aposentadorias mais de 30 nomes sugeridos pela oposição. E na quinta-feira, haverá mais uma rodada com a participação de Rogério Marinho. Encerrada esta etapa, o relatório da Reforma da Previdência será apresentado no dia 23 de setembro, lido no dia 28 e votado na Comissão de Constituição e Justiça no dia 4 de setembro. Segundo a presidente da CCJ, Simone Tebet, do MDB de Mato Grosso do Sul, a Reforma da Previdência no Plenário deve ser votada em primeiro turno no dia 24 de setembro e no segundo, no dia 10 de outubro. (Simone Tebet) Dentro da Comissão, estamos dentro do prazo regimental. E mesmo em Plenário nós tiramos as segunda e sextas para contar prazos. Por isso, nós jogamos para o dia 10, justamente para não ter que negociar nada. Aqui é uma Casa plural onde cada um vai exercer o seu papel, aqueles que são pró-reforma e aqueles que são contra a reforma no amplo debate, que não pode haver censura nem açodamento. (Repórter) O líder do PT, senador Humberto Costa, de Pernambuco, considera que o calendário de votação permitirá à oposição alterar a Reforma da Previdência. (Humberto Costa) Eu acho que cria as condições juntamente com a mobilização que nós vamos ter por parte da sociedade para que nós possamos eliminar mais pontos nocivos que ainda persistem nessa proposta de Reforma da Previdência. (Repórter) Entre as votações em primeiro e segundo turnos, os senadores vão debater no Plenário com convidados pontos específicos da Reforma da Previdência. Entre eles, a pensão por morte.

Ao vivo
00:0000:00