Novo Relatório da IFI estima crescimento do PIB em 3% este ano — Rádio Senado
Economia

Novo Relatório da IFI estima crescimento do PIB em 3% este ano

A Instituição Fiscal Independente do Senado Federal (IFI) divulgou novo Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF) apontando que o PIB deve crescer 3% em 2021. A estimativa para as despesas relacionadas à covid-19 totalizam R$ 64,2 bilhões, incluindo R$ 34,2 bilhões para um provável novo auxílio emergencial.

22/02/2021, 19h03 - ATUALIZADO EM 22/02/2021, 19h03
Duração de áudio: 02:40
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Transcrição
LOC: PIB BRASILEIRO DEVE CRESCER TRÊS POR CENTO EM 2021 E DESPESAS RELACIONADAS À COVID-19 PODEM TOTALIZAR MAIS DE 64 BILHÕES DE REAIS LOC: A ESTIMATIVA ESTÁ NO RELATÓRIO DE 22 DE FEVEREIRO DIVULGADO PELA INSTITUIÇÃO FISCAL INDEPENDENTE DO SENADO FEDERAL. REPÓRTER REGINA PINHEIRO TÉC: A Instituição Fiscal Independente do Senado Federal, IFI, divulgou novo Relatório de Acompanhamento Fiscal, RAF, com projeções sobre possível cenário macrofiscal. O RAF traz uma previsão de crescimento de 3% para o Produto Interno Bruto, PIB, em 2021. Para 2020, a estimativa mais recente da IFI foi uma queda de 4,5% no PIB. O Diretor-Executivo da IFI, Felipe Salto informou que os gastos contra a covid-19 devem totalizar R$ 64,2 bilhões, incluindo R$ 34,2 bilhões para um possível novo auxílio emergencial, que não deverá ser incluído nas despesas sujeitas ao teto de gastos. (Felipe Salto) Desses R$ 64,2 bilhões nós consideramos 20 bilhões das vacinas, que é a reabertura da medida provisória do fim do ano passado e também R$ 10 bilhões a título de uma projeção, para gastos que ainda sejam eventualmente necessários ao longo desse ano, as que seriam realizados por fora do teto, pelo mecanismo de crédito extraordinário. E além disso os R$ 34,2 bilhões do auxílio emergencial. Claro que isso é uma simulação, nós não temos ainda os dados de qual será o benefício médio. (Rep) Em relação ao risco do rompimento do teto de gastos, Felipe Salto informa que ele passou de alto para moderado. O Diretor-Executivo da IFI explica que se os R$ 34, 2 bilhões do auxílio estivessem dentro do teto, o risco de rompimento seria muito elevado e destaca a PEC Emergencial. (Felipe Salto) Nós temos ainda um risco do rompimento do teto em 2021, mas ele passou de elevado para moderado. A gente tem essas três classificações: risco alto, baixo e moderado. Apesar de ter mudado para risco moderado, a situação é bastante intrincada ainda e claro que, se esses R$ 34 bilhões do auxílio estivessem dentro do teto o risco de rompimento seria muito elevado, certamente seria preciso encontrar uma saída para isso. Na verdade, a PEC que foi apresentada, copia, de certa forma, a saída do ano passado, que é retirar essas despesas do teto de gastos. (Rep) De acordo com o prognóstico da IFI, em 2021, o déficit primário deverá ficar em R$ 247,1 bilhões, sem previsão de retorno de superávit até 2030. Da Rádio Senado, Regina Pinheiro

Ao vivo
00:0000:00