Decretos de Bolsonaro que facilitam acesso a armas encontram resistência no Senado — Rádio Senado
Segurança

Decretos de Bolsonaro que facilitam acesso a armas encontram resistência no Senado

Os senadores Eliziane Gama (Cidadania-MA) e Fabiano Contarato (Rede-ES) apresentaram projetos para sustar os efeitos dos decretos do presidente Jair Bolsonaro que flexibilizam os limites para compra e estoque de armas e cartuchos. Uma das propostas permite que pessoas autorizadas possam adquirir até seis armas.

18/02/2021, 20h17 - ATUALIZADO EM 18/02/2021, 20h17
Duração de áudio: 02:05
Agência Brasil / Arquivo

Transcrição
LOC: DECRETOS DE BOLSONARO QUE FACILITAM ACESSO A ARMAS ENCONTRAM RESISTÊNCIA NO SENADO LOC: NORMAS FORAM EDITADAS NO FIM DA SEMANA PASSADA E GERARAM CRÍTICAS DE ENTIDADES DA SOCIEDADE CIVIL E DE PARLAMENTARES. O REPÓRTER PEDRO PINCER TEM OS DETALHES: TÉC: O presidente Jair Bolsonaro publicou, em edição extra do Diário Oficial da União de sexta-feira, decretos que alteram a regulamentação sobre armas no Brasil. As medidas flexibilizam os limites para compra e estoque de armas e cartuchos. Uma das propostas permite que pessoas autorizadas possam adquirir até seis armas. Antes eram quatro por pessoa. O governo também estabeleceu a permissão para que atiradores adquiram até 60 armas e caçadores, 30, só sendo exigida autorização do Exército quando superar essa quantidade. As medidas tiveram repercussão imediata no Senado. Vários parlamentares, como Eliziane Gama, do Cidadania do Maranhão, Fabiano Contarato, da Rede Sustentabilidade do Espírito Santo e os petistas Paulo Rocha, do Pará e Rogério Carvalho, de Sergipe apresentaram projetos de decreto legislativo com o objetivo de sustar os efeitos da flexibilização. Contarato diz que hoje, há cerca de um milhão de armas nas mãos dos cidadãos, um crescimento de 65% em relação a dezembro de 2018. Para o senador, as medidas aumentam a violência e a prioridade do país é outra. (Fabiano Contarato) Não podemos aceitar essa agenda eleitoreira, sempre em prejuízo da vida. Mais armas em circulação geram mais insegurança e violência. O que o país precisa com urgência é de vacina, é de cuidado com a saúde do brasileiro e de políticas de combate ao coronavírus REP: Já o senador Major Olímpio, do PSL de São Paulo, defendeu os decretos e afirmou que eles não vão colaborar para o aumento da criminalidade (Major Olimpio) E como eu sempre defendi o legítimo direito da legítima defesa pelo cidadão, tenho certeza que o Congresso não vai acolher pretensões de anulação desses decretos, tampouco a Justiça. REP Caso não sejam sustados, os decretos entram em vigor, em 60 dias, a contar da publicação no Diário Oficial. Da Rádio Senado, Pedro Pincer.

Ao Vivo

Não é usuário? Cadastre-se.

Ao vivo
00:0000:00