Aprovado sistema de controle de qualidade de vacinas — Rádio Senado
Votações

Aprovado sistema de controle de qualidade de vacinas

O Senado aprovou a criação do sistema de rastreamento de vacinas (PL 5217/2020). Todas as etapas, da origem à aplicação, serão fiscalizadas. A proposta também cria uma carteira digital de vacinação e torna obrigatória a divulgação da distribuição geográfica das doses. O autor, Eduardo Braga (MDB-AM), lembra que a carteira vai registrar eventuais efeitos colaterais, o que vai permitir o monitoramento permanente da qualidade dos imunizantes. A reportagem é de Roberto Fragoso, da Rádio Senado.

16/12/2020, 19h31 - ATUALIZADO EM 16/12/2020, 19h31
Duração de áudio: 02:11
Foto: Foto: Thiago Gaspar / Prefeitura de Fortaleza

Transcrição
LOC: O SENADO APROVOU O RASTREAMENTO DE VACINAS, PARA AUMENTAR O CONTROLE DA QUALIDADE E DA SEGURANÇA DOS PRODUTOS, ALÉM DE MONITORAR EVENTUAIS EFEITOS COLATERAIS. LOC: A PROPOSTA TAMBÉM CRIA UMA CARTEIRA DIGITAL DE VACINAÇÃO E TORNA OBRIGATÓRIA A DIVULGAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS DOSES. REPÓRTER ROBERTO FRAGOSO. TÉC: Em meio à corrida pela vacina contra o coronavírus, a população tem recebido toneladas de informações desencontradas e aumenta a dúvida: essa vacina será segura e eficaz? Para ajudar a diminuir essa insegurança e para aprimorar o Programa Nacional de Imunizações, que já é um dos mais reconhecidos do mundo, o senador Eduardo Braga, do MDB do Amazonas, propôs a criação de um sistema de rastreamento de vacinas e soros. Todas as etapas, da origem à aplicação, serão fiscalizadas, incluindo a fabricação, importação, transporte, armazenagem e distribuição. O relator, senador Marcelo Castro, do MDB do Piauí, destacou que a sociedade vai ter mais controle sobre a qualidade dos produtos. (Marcelo Castro) Isso significa aumentar ainda mais a segurança dos pacientes frente aos potenciais efeitos adversos, monitorar a qualidade dos imunobiológicos utilizados no Sistema Único de Saúde, o SUS, verificar a eficiência dos processos logísticos em todas as instâncias da Rede de Frio – distribuição e armazenamento desses produtos – e afastar preocupações – hoje em dia, muitas vezes infundadas – acerca da segurança e da eficácia das vacinas oferecidas de acordo com o calendário nacional de vacinação. (Repórter) A proposta também cria a carteira de vacinação digital, que trará a identificação do usuário, as vacinas já aplicadas, com informação sobre o fabricante e o lote, além das imunizações pendentes. Braga lembra que a carteira vai registrar também eventuais efeitos colaterais, o que vai permitir o monitoramento permanente da qualidade dos imunizantes. (Eduardo Braga) Esse importante projeto da carteira digital de imunização, bem como a política que queremos poder ter, de forma transparente, para o programa de vacinação contra o Covid, que é o anseio de todos nós no Brasil e no mundo. É dar mais publicidade, mais transparência a algo que todo o Brasil e todos brasileiros querem, que é um programa de vacinação que seja transparente, que seja controlado pela sociedade brasileira. (Repórter) A carteira digital não será obrigatória, no entanto, para ter acesso às vacinas. Em caso de estado de emergência sanitária, o Ministério da Saúde deve publicar no seu site dados sobre a distribuição geográfica das doses e do público-alvo das campanhas de vacinação. O projeto vai para a Câmara dos Deputados. Da Rádio Senado, Roberto Fragoso. PL 5217/2020

Ao vivo
00:0000:00