Eleições 2020

Eleição de 2020 tem número maior de mulheres candidatas e eleitas

Além do registro recorde de candidaturas femininas em 2020 na disputa pelas prefeituras e câmaras municipais, o total de mulheres eleitas, reeleitas ou que ainda concorrerão no segundo turno cresceu. Os resultados finais serão consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral na sexta-feira. Até o momento, dados oficiais mostram que em 12,2% das prefeituras foram eleitas mulheres. Na eleição de 2016 esse número foi de 11,57%.  Os detalhes com o repórter Pedro Pincer:

17/11/2020, 19h42 - ATUALIZADO EM 17/11/2020, 19h42
Duração de áudio: 02:44
Carol Dartora, primeira mulher negra eleita vereadora na história de Curitiba.
Foto: Foto: Joka Madruga/Divulgação

Transcrição
LOC: ELEIÇÃO DE 2020 TEM NÚMERO MAIOR DE MULHERES CANDIDATAS E ELEITAS LOC: MULHERES REPRESENTAM 12,2% DOS PREFEITOS ESCOLHIDOS NO PAÍS. O REPÓRTER PEDRO PINCER TEM OS DETALHES: TÉC: Além do registro recorde de candidaturas femininas em 2020 na disputa pelas prefeituras e câmaras municipais, o total de mulheres eleitas, reeleitas ou que continuam na disputa em segundo turno também cresceu. Os resultados finais serão consolidados pelo Tribunal Superior Eleitoral na sexta-feira. Até o momento, dados oficiais mostram que 12,2% das prefeituras elegeram mulheres. Na eleição de 2016 esse número foi de 11,57%. De um modo geral, a participação feminina na política já caminha para além da cota obrigatória de 30% reservada pelos partidos. De acordo com a Justiça Eleitoral, no pleito deste ano as mulheres representaram 33,6% do total de candidatos, superando o maior índice das três últimas eleições, que não passou de 32%. O presidente do TSE, ministro Luis Roberto Barroso, lembrou que o tribunal fez uma campanha para estimular a presença feminina na política e os números merecem ser destacados, embora ainda não sejam os ideais. (Luis Roberto Barroso) Tivemos um aumento, ainda não suficientemente expressivo, mas no Brasil há uma curva ascendente na participação feminina nos processos eleitorais. No Congresso Nacional, esse número que ainda é insuficiente, aumentou para 15%. Nas capitais, a única prefeita eleita em primeiro turno foi Cinthia Ribeiro, em Palmas. Ela elogiou o aumento da participação feminina nas eleições: (Cinthia Ribeiro) O que só mostra que de fato estamos num caminho para escrever uma bonita história da democracia em um país ainda muito jovem onde a responsabilidade das mulheres na participação da construção das políticas públicas se faz extremamente necessária. REP: A senadora Simone Tebet, do MDB de Mato Grosso do Sul, ressaltou que essa foi a primeira eleição municipal em que estava valendo não só a cota partidária de 30% de candidatas, mas também a decisão do STF que destina 30% do tempo de rádio e TV e a mesma porcentagem do Fundo Partidário para as mulheres. Simone lembrou, que há dois anos, houve um recorde histórico de deputadas eleitas. Para ela, os números atuais também precisam ser celebrados. (Simone Tebet) Se comemoramos há dois anos atrás, também temos que comemorar esse avanço no percentual. Pouco ainda, somos 15% a partir de agora de vereadoras no Brasil, mas contando que éramos 11% há quatro anos atrás, a passos lentos estamos evoluindo. REP: Das 57 cidades que terão segundo turno, 18 tem mulheres concorrendo, sendo que em uma delas, só há mulheres na disputa: Ponta Grossa, no Paraná. Da Rádio Senado, Pedro Pincer

Ao vivo
00:0000:00