CI debate incorporação da Eletrosul pela CGTEE — Rádio Senado
Audiência pública

CI debate incorporação da Eletrosul pela CGTEE

A incorporação da Eletrosul pela Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE) foi tema de audiência pública na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI). Segundo Wilson Ferreira Júnior, presidente da Eletrobrás, principal acionista das duas empresas, a fusão vai ser vantajosa para ambas. Já o senador Dário Berger (MDB-SC) estranha que a CGTEE, empresa com apenas uma usina de geração de energia a partir de carvão, incorpore a Eletrosul, que gera energia limpa e possui unidades em quatro estados. O senador Jean Paul Prates (PT-RN) vai pedir esclarecimentos ao Ministério de Minas e Energia.  Reportagem, Iara Farias Borges, da Rádio Senado. Ouça o áudio com mais informações.

Veja a íntegra da audiência pública aqui.

26/09/2019, 15h06 - ATUALIZADO EM 26/09/2019, 15h18
Duração de áudio: 02:23
Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) realiza audiência pública interativa para discutir a reestruturação societária entre as subsidiárias Eletrosul Elétricas S.A e a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE).

Mesa:
procurador-chefe da Procuradoria Federal Especializada do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Walter de Agra Júnior;
presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior;
presidente eventual da CI, senador Dário Berger (MDB-SC);
presidente da Eletrosul, general Antonio Carlos Nascimento Krieger;
presidente do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), Adriana Gomes Rêgo;
diretor Jurídico da Intersul - Intersindical dos Eletricitários do Sul do Brasil, Anselmo Machado.

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Transcrição
LOC: A COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTUA DISCUTIU OS OBJETIVOS DA INCORPORAÇÃO DA ELETROSUL PELA CGTEE E OS RISCOS DA OPERAÇÃO. LOC: O PRESIDENTE DA ELETROBRÁS, WILSON FERREIRA JÚNIOR, GARANTIU QUE A FUSÃO VAI SER LUCRATIVA PARA AMBAS AS EMPRESAS DE ENERGIA. REPORTAGEM DE IARA FARIAS BORGES. (Repórter) A Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica, CGTEE, trabalha com apenas uma usina de geração de energia a base de carvão, em Candiota, no Rio Grande do Sul. E a Eletrosul é responsável por diversos empreendimentos de geração e de transmissão de energia elétrica limpa, com sede em Santa Catarina. Unidas, passarão a se chamar Companhia de Geração e Transmissão de Energia Elétrica do Sul do Brasil. Segundo o presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, a fusão traz vantagens; e citou algumas. (Wilson Ferreira Júnior) “Como é que funciona essas duas empresas juntas daqui para a frente? Gerando lucros superiores a 400 milhões de reais todos os anos. E isso gera uma base maior de tributação para Imposto de Renda. As duas operações juntas, integradas, reduzem os seus custos operacionais e administrativos em 20%; têm, em decorrência disso, um aumento de 15% na geração de caixa, que vai permitir à companhia fazer investimentos no Sul; podem otimizar processos corporativos, melhora o acesso a financiamentos e têm aumento de eficiência”. (Repórter) Considerando uma “incorporação às avessas”, já que é a empresa menor que incorpora a maior, o advogado representante do Eletricitários do Sul, Anselmo Machado, defendeu a avaliação dos riscos da fusão. (Anselmo Machado) “Nesse caso, especificamente, a preocupação é o resguardo do patrimônio público, ou seja, eventual prejuízo por conta desse processo de incorporação às avessas. A termoelétrica de Candiota é aquele pontinho azul, ali, lá embaixo, na fronteira com o Uruguai. É isso que está se objetivando fazer: uma pequena unidade lá no Rio Grande do Sul incorporar toda essa dimensão que hoje representa a Eletrosul nos quatros estados, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, e Mato Grosso do Sul”. (Repórter) O senador Dário Berger, do MDB catarinense, que pediu o debate, disse estranhar a fusão e quer mais esclarecimentos. (Dário Berger) “O próprio nome “incorporação às avessas” já é uma coisa, na melhor das hipóteses, exótica. Não teria uma implicação no Carf, Cade, na Receita Federal? Pairam muitas dúvidas a esse respeito”. (Repórter) O senador Jean Paul Prates, do PT do Rio Grande do Norte, vai pedir ao Ministério de Minas e Energia toda a documentação e informação que embasam o processo de incorporação das estatais. - REQ 31/2019 – CI - REQ 34/2019 – CI

Ao vivo
00:0000:00