Aprovado nome de embaixadora na Bulgária e na Macedônia do Norte

Carlos Penna Brescianini | 21/08/2019, 19h12

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (21) a indicação da diplomata Maria Edileuza Fontenele Reis para o cargo de embaixadora na Bulgária e na Macedônia do Norte. Foram 56 votos favoráveis e 3 contrários. A embaixada brasileira da Bulgária está representando o Brasil cumulativamente na Macedônia do Norte, país da Europa oriental estabelecido após a fragmentação da antiga Iuguslávia.

Maria Edileuza Fontenele Reis é diplomata de carreira e exerceu diversas funções desde 1993, quando foi nomeada primeira-secretária em missão transitória na embaixada em São Domingos, capital da República Dominicana (1993-1994). Em seguida, foi consulesa-geral adjunta nos consulados-gerais em Tóquio (1996-2001) e Roma (2001-2004).

Foi também diretora do Departamento da Europa (2006-2010), consulesa-geral e embaixadora em Paris (2014-2017) e delegada permanente na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em 2017. Ela recebeu condecorações nacionais e estrangeiras e é autora de diversos artigos.

Sabatina

Maria Edileuza Reis disse em sabatina na Comissão de Relações Exteriores (CRE), na semana passada, que a prioridade dela como embaixadora na Bulgária será atrair investimentos brasileiros para aquele país.

— Poucos sabem que a Bulgária facilita ao máximo a instalação de empresas estrangeiras de médio e pequeno porte, visando exportar para os outros países da União Europeia. A carga tributária é muito baixa, cerca de 10%. Mas, em áreas marcadas pelo desemprego, a carga é ainda menor. A mão de obra é barata e de alta qualificação. A produção de equipamentos, bioquímica, engenharia elétrica, biomassa e agricultura são as mais promissoras — contou.

No ano passado, o Brasil teve um superávit de US$ 344 milhões no comércio com a Bulgária. Exportou especialmente minérios, café e fumo, e importou fertilizantes e adubo.

A Bulgária foi fortemente afetada pela crise financeira internacional de 2008, o que fez com que o PIB do país recuasse 5,5% no ano seguinte. Mas a situação tem melhorado nos últimos anos e o PIB tem apresentado um crescimento anual de cerca de 3,5%.

A embaixadora acredita que a efetivação do acordo entre Mercosul e União Europeia, nos próximos anos, deverá aproximar mais o Brasil da Bulgária.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)