Jorge Viana cobra protagonismo do Brasil e critica desistência de sediar a COP-25

Da Redação e Da Rádio Senado | 28/11/2018, 17h13 - ATUALIZADO EM 28/11/2018, 18h02

O senador Jorge Viana (PT-AC) criticou nesta quarta-feria (28) em Plenário o fato de o governo brasileiro ter retirado a candidatura para sediar, em 2019, a 25ª edição da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP-25), a ser realizada no ano que vem.

De acordo com o senador, seria importante para o país sediar o evento, em especial quando se verifica que o desmatamento na Amazônia aumentou 13 % entre agosto de 2017 e julho de 2018, segundo dados preliminares dos Ministérios do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia.

Outra preocupação manifestada por Viana é o aumento da temperatura do planeta por conta do aumento da emissão de gases do efeito estufa. Ele salientou a importância de cumprir o Acordo de Paris, assinado por 195 líderes mundiais, que estabelece que países devem manter o aquecimento global abaixo de 2ºC, buscando limitá-lo a 1,5ºC.

Com esse cenário, o senador disse ser fundamental que o Brasil receba a conferência da ONU.

— Ora, se o Brasil vai sediar a COP-25 aqui, vai poder apresentar para o mundo inteiro todo o seu esforço no sentido de cumprir o Acordo de Paris. O Brasil foi sede da Rio92, da Rio+20, é um grande protagonista de todo esse processo que culminou com a assinatura do acordo, em 2015 — declarou o parlamentar.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
18h50 Camaçari: O Senado autorizou a prefeitura de Camaçari (BA) a tomar empréstimo junto ao Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), no valor de US$ 80 milhões para obras de infraestrutura urbana.
18h35 Defensor Público Geral: Aprovada em segundo turno, vai à Câmara a PEC 31/2017, que confere legitimidade ao defensor público-geral federal para propor Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) e Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC).
18h18 Defensor Público Geral: Plenário aprovou em primeiro turno a PEC 31/2017, que permite que o defensor público-geral federal proponha Ação Direta de Inconstitucionalidade e Ação Declaratória de Constitucionalidade junto ao Supremo.
Ver todas ›