Jovens senadores aprovam parecer a projetos que serão votados nesta sexta em Plenário

Da Redação | 22/11/2018, 18h34 - ATUALIZADO EM 26/11/2018, 11h43

Selo_Jovem_Senador_2018.jpgOs jovens senadores aprovaram, na tarde desta quinta-feira (22), pareceres, com sugestões de mudança, aos três projetos elaborados pelas Comissões Cecília Meireles, Nísia Floresta e Sobral Pinto. Uma das propostas, que serão votadas em Plenário nesta sexta-feira (23), cria a Semana Nacional de Combate e Prevenção ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Outra criminaliza a introdução de espécime vegetal exótica no país. A terceira inclui na legislação o princípio do respeito à diversidade no ambiente escolar.

Se aprovadas pelos jovens senadores em Plenário, as propostas serão analisadas pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) e, se admitidas, tramitarão como projetos de lei.

Para a jovem senadora de Roraima, Aymê Tavares, presidente da Comissão Cecília Meireles, a escola pode ser uma parceira no combate aos crimes cometidos contra menores.

— A escola é nossa segunda casa. Baseado nisso, a gente pensou: por que não trazer para a escola o trabalho de prevenção? Eu botei um pouquinho de mim nesse projeto, cada pessoa desta comissão colocou na proposta um pouco do que a gente acredita — disse Aymê, que mora em Boa Vista, tem 17 anos e pretende estudar psicologia.

A jovem senadora da Bahia, Laiane Michele Silva Souza, disse que o projeto da Comissão Nísia Flores, que ela preside, é necessário por uma falha na legislação ambiental.

— A nossa intenção é criminalizar a introdução de plantas exóticas no Brasil, que já existe na questão da fauna, mas para a flora há uma lacuna — disse Laiane, que é do município baiano de Ibiassucê, tem 17 anos e quer estudar medicina.

Segundo a presidente da Comissão Sobral Pinto, Bibiana Palatino Brum, os jovens senadores do colegiado escolheram o tema diversidade “porque é um assunto que precisa ser pautado”.

— A escola é o lugar ideal [para tratar da diversidade]. É ali que acontece a formação ética e cidadã dos alunos. [É preciso] incluir todos os alunos e dar visibilidade e representatividade a essas pessoas — afirmou Bibiana, que mora em Uruguaiana (RS), tem 18 anos e quer estudar direito ou ciência política.

Os 27 jovens senadores foram selecionados por meio do concurso de redação sobre os 30 anos da Constituição. Desde segunda-feira (19), eles participam de atividades típicas de um senador. O projeto é uma parceria da Secretaria de Comunicação Social (Secom), Secretaria-Geral da Mesa (SGM), Consultorias Legislativa e de Orçamento e Diretoria-Geral (Dger).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)