Sociedade poderá ter que recorrer aos membros para demandar Conselho de Comunicação

Da Redação | 01/10/2018, 19h26 - ATUALIZADO EM 01/10/2018, 19h44

O Conselho de Comunicação Social (CCS) aprovou nesta segunda-feira (1) uma alteração em seu regimento interno. Por 6 votos a 5, os conselheiros optaram por eliminar a possibilidade de entidades da sociedade civil demandarem diretamente o CCS visando a elaboração de pareceres, estudos e outras solicitações relativas aos temas afetos ao órgão. Segundo a Lei 8.389, o conselho é um órgão auxiliar do Congresso Nacional, sem poder deliberativo, mas que deve se manifestar quando demandado sobre temas relacionados à comunicação social.

O relator-coordenador da reforma do regimento, conselheiro José Francisco de Araujo, disse crer que a participação da sociedade civil no CCS não ficará tolhida com o novo texto. Ele lembrou que uma outra modificação no texto prevê que os conselheiros poderão propor a formação de comissões temáticas, a partir de sugestões advindas de entidades da sociedade civil.

Mas o placar apertado da votação mostrou que a decisão não foi consensual. A conselheira Maria José Braga, que também é presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), chamou a mudança de "um retrocesso", que contribuirá para o esvaziamento do CCS. Davi Emerich, representante da sociedade civil que também votou contra a alteração, lembrou que ela ainda deverá passar pelo crivo da Mesa Diretora do Congresso Nacional para que possa ser efetivada.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
CCS Conselho de Comunicação Social