Cachaça e tequila ganham proteção de acordo internacional entre Brasil e México

Da Redação | 05/09/2018, 13h50 - ATUALIZADO EM 05/09/2018, 20h43

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (5) um acordo internacional entre Brasil e México para o reconhecimento mútuo da cachaça e da tequila como indicações geográficas e produtos distintivos dos dois países.

O texto determina que toda bebida vendida no Brasil com o nome de tequila terá que ser de fabricação mexicana, assim como toda cachaça vendida no México terá que ser de fabricação brasileira, possibilitando a proteção da propriedade comercial das duas bebidas.

O acordo tem o apoio do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac) e do Conselho Regulador de Tequila (CRT), as duas instituições que representam no Brasil os produtores de cada bebida.

Ao justificar a iniciativa, o Ministério das Relações Exteriores (MRE) enviou mensagem ao Congresso Nacional argumentando que o acordo tem “enorme valor simbólico para o Brasil e o México, uma vez que chancela o interesse comum dos dois países em salvaguardar a preservação da integridade e originalidade das duas bebidas nacionais”.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) foi a relatora da proposta na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado. Na ocasião, ela lembrou que a tequila já é protegida em 46 países. Por outro lado, o México será apenas a terceira nação a reconhecer a cachaça como um destilado exclusivo do Brasil, somando-se aos Estados Unidos e à Colômbia.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)